REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

Após jornalistas deixarem entrevista, segurança de Bolsonaro pede que claque evite criticar imprensa

'Só peço a vocês que quando o comboio parar aqui, evitar  ficar criticando o pessoal da imprensa', disse o funcionários aos apoiadores do presidente

Jussara Soares e Marlla Sabino, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2020 | 10h17

BRASÍLIA – Um dia após jornalistas se retirarem de entrevista do presidente Jair Bolsonaro por ele ter estimulado apoiadores a hostilizar os repórteres, um segurança da Presidência pediu, nesta quarta-feira, 1, que as pessoas na portaria do Palácio da Alvorada evitassem criticar os repórteres. O pedido foi feito quando o presidente se preparava para deixar a residência oficial.

"Só peço a vocês que quando o comboio parar aqui, evitar  ficar criticando o pessoal da imprensa", disse o segurança. “Infelizmente, eles também estão trabalhando”, justificou.  Em seguida, Bolsonaro parou para cumprimentar os apoiadores. O presidente não falou com a imprensa.

No dia anterior, quando questionado sobre declarações do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que tem defendido o isolamento social para evitar a propagação do coronavírus no País, o presidente mandou jornalistas ficarem quietos e disse que um apoiador responderia.

"É ele que vai falar, não é vocês não", disse, na ocasião. Neste momento, os jornalistas que estavam no local, uma área cercada na entrada da residência oficial, se retiraram.

A atitude surpreendeu Bolsonaro, que questionou: "Vai embora? Vai abandonar o povo? A imprensa que não gosta do povo", disse o presidente.

Os ataques contra a imprensa por parte de Bolsonaro têm se tornado constantes nas entrevistas que concede em frente ao Palácio da Alvorada. Na segunda-feira, após ser criticado por especialistas ao contrariar recomendações médicas e circular por áreas comerciais de Brasília, provocando aglomerações, o presidente disse que iria falar sem aceitar perguntas. No início do ano, chegou a mandar um repórter "calar a boca" e a ofender jornalistas que fizeram reportagens que o incomodaram.

As declarações hostis costumam ter o apoio da claque que diariamente aguarda a saída e a chegada do presidente na residência oficial. Por determinação da segurança presidencial, os jornalistas precisam ficar em uma área cercada por grades, ao lado de onde se concentram os apoiadores. 

Depois de um período em que poucos apareceram por lá por causa das recomendações de se evitar aglomerações, os apoiadores voltaram a ir ao local diariamente, estimulados pelo pronunciamento do presidente do dia 24 de março em que chamou de "gripezinha" a covid-19, que já matou 201 pessoas no Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaroimprensacoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.