Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Após Janot se declarar suspeito, Eunício evita comentar delação em que é citado

"Eu não vou falar sobre isso. Esse assunto não cabe a mim", disse o senador cearense

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2016 | 14h49

BRASÍLIA - O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) se esquivou nesta terça-feira, 1, de perguntas sobre a decisão do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que se declarou suspeito para analisar delação premiada que cita o peemedebista. O trecho em questão é da delação do ex-diretor de relações institucionais da Hypermarcas Nelson Mello, que cita repasses de R$ 5 milhões para a campanha do atual senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) ao governo do Ceará, em 2014.

"Eu não vou falar sobre isso. Esse assunto não cabe a mim, cabe ao procurador Janot. Você tem que perguntar a ele", respondeu o senador sem mais delongas. 

Nelson Mello é um dos delatores da Operação Lava Jato e afirmou em depoimento que ajudou financeiramente a campanha de Eunício Oliveira para o governo do Ceará em 2014, a pedido de um sobrinho do senador chamado Ricardo. Mediante contratos fictícios, o ex-diretor da Hypermarcas teria pagado despesas de empresas que prestavam serviços à campanha do peemedebista. O valor total dos contratos seria de R$ 5 milhões.

Procurada pela reportagem, a assessoria da Procuradoria-Geral da República (PGR) informou que Janot declarou "suspeição" por uma questão de “foro íntimo”, conforme explicitado no documento, mas não entrou em detalhes.

Com a declaração de suspeição de Janot, coube ao vice-procurador geral da República, José Bonifácio de Andrada, analisar o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.