Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Após interferir na eleição do Congresso, Bolsonaro diz que só 'ficou na torcida' por Lira e Pacheco

Presidente mente e omite os mais de R$ 3 bilhões em verbas extras destinados a 285 parlamentares

Matheus de Souza e Sofia Aguiar, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2021 | 12h27

Após a vitória de seus candidatos no Congresso Nacional no pleito desta segunda-feira, 1°, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mentiu ao afirmar que "ficou apenas na torcida" por Arthur Lira (Progressistas-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente.

A afirmação de Bolsonaro foi feita a apoiadores na saída do Palácio do Planalto. Ao ser questionado sobre sua opinião resultado das eleições, o presidente se limitou a comentar apenas que "no seu entender", os parlamentares de ambas as Casas "escolheram bons candidatos". "Eu fiquei na torcida", afirmou.

Ao contrário do que disse Bolsonaro, o Estadão mostrou que o Palácio do Planalto se envolveu diretamente na eleição pelo comando do Congresso. Ao longo da campanha entre os deputados e senadores, o governo federal liberou R$ 3 bilhões em verbas extras a 285 parlamentares. Às vésperas da eleição, Bolsonaro liberou R$ 504 milhões em emendas para os redutos eleitorais de deputados e senadores até o dia 26, valor superior a quantidade paga no mês inteiro em qualquer ano anterior.

As vitórias de Lira e Pacheco, candidatos apoiados pelo Planalto, gerou protestos entre parlamentares da oposição, que afirmaram haver compra de votos.

Durante a corrida para a presidência das Casas, Bolsonaro atuou particularmente pela vitória de Lira contra o candidato de Rodrigo Maia (DEM-RJ), Baleia Rossi (MDB-SP). O presidente chegou a cobrar apoio de parlamentares da bancada ruralista a Lira, justificando que o agronegócio "nunca teve um tratamento tão justo e honesto" quanto em seu governo.

Em outro episódio, durante uma cerimônia organizada para promover a liberação de tráfego da nova ponte sobre o Rio São Francisco, na BR-101, na última quinta feira, 28, o presidente chegou a falar que "se Deus quiser, segunda-feira, 1º, teremos o segundo homem na linha hierárquica do Brasil eleito aqui no Nordeste pela Câmara dos Deputados. O deputado Arthur Lira. Se Deus quiser, o nosso presidente".

Na manhã de segunda-feira, em conversa com apoiadores, o presidente afirmou que tudo ia "dar certo", em referência à vitória de Lira e Pacheco. Após a votação da presidência da Câmara, Bolsonaro postou nas redes sociais uma foto ao lado de Pacheco e dando aperto de mão em Lira, celebrando a vitória de ambos.

Aliança 'dificilmente' será formalizado para 2022

Bolsonaro também voltou a falar sobre a fundação do partido Aliança pelo Brasil, que tenta tirar do papel desde que deixou o PSL, em 2019, após uma série de desentendimentos com o presidente da sigla, Luciano Bivar (PE).

O presidente disse que "dificilmente" irá conseguir formar um partido para as próximas eleições em 2022, e que em março terá que decidir o que fazer, inclusive uma das possibilidades é escolher outra legenda para abrigar seu nome. Apesar disso, o presidente ainda não desistiu da criação de sua sigla. "Vamos continuar fazendo", disse durante conversa com apoiadores nesta terça-feira.

Na segunda, o presidente sinalizou a apoiadores que estaria tendo adversidades para formar seu partido por causa de "problemas burocráticos", mas que nesta terça-feira, após as eleições no Congresso Nacional, já iria retomar a discussão sobre o assunto.

Em outro momento da conversa, Bolsonaro repetiu que até março buscará um novo partido, mas não abandonou o projeto do Aliança pelo Brasil, que ainda não obteve a quantidade de assinaturas necessárias para impulsionar a ideia. Diante da imprevisibilidade, partidos como Progressistas, PSL, Republicanos, PTB, Patriota e PL já acenaram interesse no nome do presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.