DIDA SAMPAIO/AE
DIDA SAMPAIO/AE

Após filiação de Marina ao PV, Dilma afina discurso ambiental

Chefe da Casa Civil anuncia programa de saneamento e diz que Brasil precisa 'respeitar os seus mananciais'

Leonencio Nossa e Tânia Monteiro, AE

02 de setembro de 2009 | 16h00

Em evento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) nesta quarta-feira, 2, no Itamaraty, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, trocou a leitura fria de números de uma tela de Power Point por um discurso exaltado, cheio de expressões e gestos, em defesa do meio ambiente e da qualidade de vida. Ao anunciar obras de saneamento básico em sete Estados, no valor total de R$ 4,5 bilhões, ela chegou a analisar a ocupação desordenada das cidades ao longo da história para defender a importância dos rios. "Respeitar os mananciais é respeitar o meio ambiente", disse.

Três dias depois da filiação da ex-ministra do Meio Ambiente e senadora Marina Silva ao PV, possível concorrente nas eleições presidenciais de 2010, a ministra Dilma Rousseff deu pouca ênfase a detalhes de orçamento e execução das obras de saneamento, o que costuma fazer nos discursos, e destacou a importância ambiental do Pantanal, da Baía de Todos os Santos e da Baía de Guanabara.

 

Dilma disse ainda que o governo Lula demonstra preocupação com os ecossistemas e a saúde da população ao investir em saneamento básico. "Nosso País tinha um nível de tratamento de água e de esgoto primitivo, do século 19", afirmou. "Esse projeto (PAC do Saneamento) é um respeito às águas do País."

Após a solenidade, os aliados do Planalto disseram que Dilma Rousseff "sempre" fez discursos em defesa do meio ambiente. "A ministra sempre teve uma visão integral e holística do desenvolvimento", disse o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT). Já a governadora do Rio Grande do Norte, Wilma Faria (PSB), afirmou que Dilma fez discursos parecidos em visitas a Natal. "Acho que ela está no caminho certo, ela tem mesmo de pregar o desenvolvimento sustentável e a defesa da natureza."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.