AFP
AFP

Após ficar 5 dias 'recolhido' em São Paulo, Temer desembarca em Brasília

A chegada do vice-presidente em Brasília ocorre no mesmo dia em que o ex-presidente Lula se reúne com lideranças do PMDB e da base aliada do Senado

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2016 | 11h48

Brasília - Após passar os últimos cincos dias em "recolhimento" em São Paulo, longe das discussões em Brasília a respeito dos avanços do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, o vice-presidente da República, Michel Temer, deve desembarcar na capital federal no meio da tarde desta quarta-feira.

Na agenda oficial do vice não constam, até o momento, compromissos oficiais. A chegada de Temer em Brasília ocorre no mesmo dia em que o ex-presidente Lula se reúne com lideranças do PMDB e da base aliada do Senado. O encontro de Lula ocorre na residência oficial do Senado, local onde mora o presidente da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

Desde a última sexta-feira, quando foi deflagrada a última Operação da Lava Jato, que teve como principal alvo Lula, o vice-presidente Michel Temer tem evitado exposições públicas e o contato com a imprensa. A única exceção ocorreu no domingo quando participou das comemorações do aniversário de Tietê (SP), sua cidade natal. Na ocasião, o vice defendeu união entre os três poderes para dar fim à crise.

O recolhimento de Temer deve-se, em parte, à estratégia de não se expor publicamente até o próximo sábado, 12, quando deverá ser reconduzido ao comando do PMDB na convenção nacional da legenda. O receio é ter qualquer declaração mal interpretada pelo Palácio do Planalto. No final do ano passado, quando o processo de impeachment dava sinais de avanços no Congresso, Temer chegou a encaminhar uma carta de desabafo à presidente Dilma. Na ocasião, a iniciativa chegou a ser lida como por integrantes da base aliada e do governo como um gesto de rompimento. Desde então, a relação entre o vice e a presidente tem se mantido fria.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.