Dida Sampaio | Estadão
Dida Sampaio | Estadão

Após expulsão do PMDB, Kátia Abreu usa redes sociais para criticar Temer

Ironizando a aprovação de Temer, senadora afirmou que presidente não consegue se beneficiar dos 'pífios resultados da economia'

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

26 Novembro 2017 | 16h13

SÃO PAULO - Três dias após ser expulsa do PMDB, a senadora Kátia Abreu (TO) usou as redes sociais para criticar o presidente Michel Temer. Ironizando a popularidade do presidente, que teria desaprovação de 95% da população, a senadora escreveu que Temer não consegue se beneficiar dos resultados econômicos alcançados por seu governo. "Nem os pífios reflexos da economia o Temer consegue colar nele. É o efeito teflon ao contrário. Só rindo", afirmou. 

+ Aprovação a Luciano Huck para a presidência chega a 60%

O Conselho de Ética do PMDB decidiu expulsar Kátia Abreu na quinta-feira, 23. A medida foi acatada de imediato pelo presidente do partido, senador Romero Jucá (RR), que elogiou a decisão por meio de nota à imprensa. "Demonstra nova fase de posicionamento do partido", afirmou. 

Em comunicado à imprensa, Kátia Abreu disse que foi expulsa por "defender posições que desagradaram" ao governo. "Fui expulsa exatamente por não ter feito concessão à ética na política. Fui expulsa por defender posições que desagradam ao governo. Fui expulsa pois ousei dizer não a cargos, privilégios ou regalias do poder", afirmou. Nas redes sociais, Kátia acrescentou que lutou pela democracia no partido, "mas os corruptos venceram". 

+ Lula provoca Huck: 'O que mais quero é disputar com alguém com logotipo da Globo na testa'

Um dia depois da expulsão, a ex-presidente Dilma Rousseff publicou diversas mensagens em apoio à senadora em seu Twitter. Ela comentou que a medida foi uma violência contra os brasileiros. "A expulsão da senadora Kátia Abreu do PMDB é uma violência contra os seus eleitores do Tocantins e contra os brasileiros de todos os estados que a respeitam e admiram", escreveu a petista. Dilma também afirmou que o PMDB tenta perseguir políticos "sérios, honestos e progressistas". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.