Após escândalo, tucanos deixam o governo de Arruda

Partido tinha as pastas de Obras, chefiada por Márcio Machado, e de Governo, comandada por José Humberto

Carol Pires, da Agência Estado,

01 de dezembro de 2009 | 16h30

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), anunciou na tarde desta terça-feira, 1º, que o partido deixará os cargos que ocupa na administração do Distrito Federal. As secretarias ocupadas pelo partido são a de Obras, chefiada por Márcio Machado, e a de Governo, sob comando de José Humberto.

 

Veja Também

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

blog  JOÃO BOSCO acompanhe o caso; veja vídeos, oração da propina e mais 

especial Entenda as acusações contra o governador do Distrito Federal

documento Leia o inquérito da Operação Caixa de Pandora

linkSerra defende direito de defesa de Arruda

linkDEM avalia duas propostas para definir destino de Arruda

 

Machado e Humberto são citados no inquérito da Operação Caixa de Pandora comandada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). De acordo com o inquérito, o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), comandava um esquema de recebimento e distribuição de propina. Segundo Sérgio Guerra, os dois secretários serão alvos de processos no Conselho de Ética do partido.

 

"Consideramos todas as irregularidades graves, queremos a apuração rigorosa de tudo e determinamos que todos os representantes do partido se afastem do governo", disse Sérgio Guerra após reunião com lideranças do PSDB no gabinete do partido no Senado.

 

PSB, PDT, PPS e PV também anunciaram a saída dos correligionários que ocupavam cargos de primeiro e segundo escalão no governo Arruda.

 

O PSDB divulgou uma nota esclarecendo sua saída do governo.

 

"NOTA OFICIAL

A Comissão Executiva Nacional do PSDB considera gravíssimos os fatos ocorridos no Governo do Distrito Federal e espera que as denúncias sejam apuradas com toda a energia. Face ao exposto, determina o imediato afastamento do Governo do Distrito Federal de todos os membros do Partido."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.