Após escândalo no DF, firma terá que devolver R$ 35 mi

O juiz Alvaro Ciarlini, da 2ª. Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal, condenou a empresa Linknet Tecnologia e Telecomunicações Ltda. a devolver R$ 35 milhões aos cofres públicos. A empresa foi investigada na operação da Polícia Federal Caixa de Pandora que apurou um suposto esquema de pagamento de propinas no governo do Distrito Federal. O então governador, José Roberto Arruda, foi preso e renunciou ao mandato.

MARIÂNGELA GALLUCCI, Agência Estado

09 de novembro de 2010 | 18h37

Em sua decisão, o juiz Ciarlini concluiu que era nulo um contrato de aluguel de equipamentos eletrônicos e de informática fechado entre a Linknet e a Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan). Autor da ação analisada pelo juiz, o Ministério Público do Distrito Federal argumentou que a contratação da Linknet foi direcionada e que vários artifícios teriam sido usados, como falsificação de documentos. Para o Ministério Público, a operação foi combinada entre dirigentes da empresa e agentes públicos com o objetivo de desfalcar os cofres públicos.

Segundo informações divulgadas hoje pelo Tribunal de Justiça, a empresa negou as acusações e sustentou que o Ministério Público não apresentou provas das supostas irregularidades. A empresa também alegou que o pedido de devolução dos recursos já estaria prescrito. Mas o juiz entendeu que não houve prescrição. Segundo ele, a Constituição Federal e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) estabelecem a imprescritibilidade das ações que visam ao ressarcimento de recursos públicos.

"Emerge dos autos a evidência da conduta temerária da Linknet e a comprovação de que sua participação no episódio se efetivou em evidente má-fé. A conduta da empresa deve obstar qualquer tipo de contraprestação por eventuais serviços realizados, posto que a contratação inválida decorreu de sua própria conduta", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.