Divulgação
Divulgação

Tribunais de contas criticam decisão do STF e posição de Gilmar Mendes sobre Ficha Limpa

O presidente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil, Valdecir Fernandes Pascoa disse que legislação é ' lei cidadã' e rebateu fala crítica de presidente do TSE

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2016 | 14h28

BRASÍLIA – Após encontro com o presidente em exercício Michel Temer, o presidente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), Valdecir Fernandes Pascoal, rebateu a declaração o ministro do STF, Gilmar Mendes, de que a lei da Ficha Limpa é mal feita e parece ter sido feita por bêbados. “É uma palavra que nos surpreende, nós pensamos exatamente o contrário. Lei da ficha limpa é uma lei cidadã”, rebateu. 

Pascoal afirmou que o grupo mostrou a Temer que está disposto a colaborar com o ajuste fiscal e disse que fez rápidas críticas à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que na semana passada definiu que cabe às casas legislativas dar a palavra final sobre as contas de candidatos. Dessa forma, políticos que tiveram suas contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas local poderão concorrer nas próximas eleições, caso elas não tenham sido rejeitadas pelas câmaras municipais. “É um grande retrocesso, respeitamos a decisão, mas somos contra.” 

“Eu falei dessa questão (da decisão do STF) quando falei que a Lei da Ficha Limpa era um marco, mas a nossa pauta foi no sentido de nos colocar à disposição do ajuste fiscal. Os Tribunais de Conta são guardiões da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e a nossa reivindicação foi só que haja um debate amplo e que se respeite o sentido da isonomia, os tribunais de contas estão dispostos a colaborar com ajuste”, disse. 

Pascoal disse ainda que “no momento oportuno” os membros dos Tribunais de conta irão solicitar “de forma mais especial o apoio do governo no fortalecimento do controle”. “Nossa opinião é que foi um retrocesso em matéria de controle público no Brasil, a causa mais efetiva da lei da ficha limpa em matéria impugnação de candidatos era justamente as contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas já que são contas técnicas”, disse. “84% das impugnações de gestores decorreram dessa nossa função de julgar contas e agora isso vai esvaziado”, completou. 

Segundo o presidente da Atricon, a estratégia dos tribunais será de tentar “sensibilizar o STF” para rever o tema através de um embargo declaratório que o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, deve interpor na próxima semana. “Se isso não for possível, vamos propor uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) e com isso unir a sociedade em um novo movimento similar com aquele que foi houve na criação da Ficha Limpa”, disse. 

Por fim, Pascoal disse que o grupo não conversou sobre a questão do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff e que os tribunais de contas “não se metem nessa questão”. “É uma questão do Congresso”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.