Após encontro com Lula, Paulo Octávio dará coletiva

Governador em exercício do Distrito Federal teria comunicado ao presidente sua renúncia ao cargo

André Dusek e Leonencio Nossa, da Agência Estado,

18 de fevereiro de 2010 | 09h58

O governador em exercício do Distrito Federal, Paulo Octávio, encontrou-se com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quinta-feira, 18, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). A expectativa era de que Paulo Octávio dê uma entrevista coletiva nas próximas horas. Ele já teria preparada uma carta de renúncia para anunciar depois do encontro com o presidente, no qual estava previsto comunicar ao presidente a sua decisão. A coletiva, que chegou a ser anunciada pela assessoria de Octávio, foi cancelada há pouco.

 

Veja também:

linkPaulo Octávio não dará entrevista coletiva

linkArruda deve desistir de habeas corpus

linkCâmara dá largada a processo de sucessão

blog Bosco: Paulo Octávio já redigiu renúncia

mais imagens Manifestante provoca tumulto na PF

especial Entenda a operação Caixa de Pandora

 

O governador entrou e saiu do CCBB pela porta privativa do presidente Lula. Antes de deixar o local, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e o ex-procurador-geral da República e ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, José Paulo Sepúlveda Pertence, estiveram no CCBB, mas evitaram falar com a imprensa. Pertence chegou a ser cogitado para interventor do Distrito Federal, caso o Supremo Tribunal Federal julgue pela intervenção, na próxima semana. Perguntado se seria o candidato do governo para interventor, respondeu: "só se vocês (jornalistas) estiverem convidando".

 

Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, Paulo Octávio deve renunciar ao cargo ainda nesta quinta-feira, 18. Ele redigiu a carta de renúncia durante o feriado do carnaval e até já mostrou o texto a alguns políticos de Brasília.

 

A comunicação formal da renúncia, que deve ser feita em um movimento político combinado com o governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM), vai abrir uma negociação em torno da linha sucessória no DF. É provável que o presidente e o vice da Câmara Legislativa desistam de assumir o governo local. Nesse caso, assumiria o presidente do Tribunal de Justiça (TJ), que organizaria a eleição indireta na Câmara Legislativa para escolher o novo governador.

 

Na quarta-feira, 17, Lula evitou se encontrar com Paulo Octávio para não dar sinais de que trabalha pela sustentação política do governador interino. O Palácio do Planalto não pretende se associar ao escândalo do "mensalão do DEM" no Distrito Federal. Para evitar desgastes desnecessários, o governo vai se manter neutro, à espera da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que analisará um pedido do Ministério Público de intervenção federal.

 

Paulo Octávio assumiu o governo do DF na última quinta-feira, 11, depois de Arruda ser preso acusado de tentar subornar uma testemunha do escândalo de corrupção que atinge o Distrito Federal. No fim do ano passado, o ex-secretário de Relações Institucionais do DF Durval Barbosa denunciou um suposto esquema de recebimento e distribuição de propinas na administração. O escândalo se agravou depois que vídeos feitos com e sem autorização judicial por Barbosa vieram à tona. Numa das gravações, Arruda aparece recebendo dinheiro. Embora não tenha aparecido ainda nos vídeos, assessores de Paulo Octávio são investigados por suposta participação no esquema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.