Após eleições, Erundina quer trabalhar para fortalecer PSB

A candidata à Prefeitura de São Paulo pela coligação PSB-PMDB-PMN, Luiza Erundina, disse hoje que um de seus principais papéis depois das eleições municipais será o de, junto com a direção de seu partido, ajudar a dar uma cara própria ao PSB. Para isso, ela diz estar disposta a lutar no congresso pela reforma política.Erundina ressaltou ainda que, "infelizmente, hoje é ela, como candidata, que tem os votos do partido". E é este quadro que ela acredita ser preciso mudar para que o processo político não continue focado em pessoas, o que viabiliza "uma política caciques".Sobre seu partido, a candidata acredita que a liderança terá que "repensá-lo uma vez que não dá mais para conceber a idéia de ter o PSB meramente como um apêndice do processo eleitoral". A candidata acredita ser este o momento ideal para se consolidar o PSB como referência à esquerda. Até porque, na visão de Erundina, há na sociedade uma carência de um partido "efetivamente de esquerda".Sobre a polarização da campanha eleitoral entre Marta Suplicy, do PT, e José Serra, do PSDB, Erundina disse que faz parte de um processo com vista às eleições de 2006. Prova disso, segundo ela, é o fato de os dois candidatos líderes nas pesquisas de intenção de votos terem evitado tocar em temas como o emprego, por exemplo. Segunda ela, esse tipo de discussão desembocaria na questão da política econômica do governo federal, que, por estar sendo continuada pelo governo Lula, vem sendo colocada em prática há mais de 10 anos.Erundina desvinculou seu baixo desempenho na campanha, medida pelas pesquisas de intenção de votos, de sua união com o PMDB. Segundo ela, a coligação foi necessária e evitou que seu nome desaparecesse já nos primeiros dias da campanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.