Reprodução/Instagram de Rosângela Moro
Reprodução/Instagram de Rosângela Moro

Após divergências na equipe de Bolsonaro, mulher de Moro pede que 'parem de reclamar' do governo

'O dia em que todos os brasileiros se conscientizarem que somos um só povo com as mesmas preocupações veremos um grande avanço e estaremos no caminho certo', escreveu a advogada

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2019 | 12h05

A advogada Rosângela Moro, esposa do ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, publicou no Instagram uma mensagem em que pede união e o fim das reclamações contra o governo de Jair Bolsonaro. A mensagem que traz uma hashtag com os nomes do presidente, de Moro e também do ministro da Economia, Paulo Guedes, vem após virem à tona divergências internas no novo governo.

"O dia em que todos os brasileiros se conscientizarem que somos um só povo com as mesmas preocupações veremos um grande avanço e estaremos no caminho certo. Parem de reclamar e esperem para ver a que veio este novo governo", escreveu Rosângela. "#bolonaromoroguedes (sic). Redução de custos, corte de despesas desnecessárias, zero propina. Chega de mimimi. Apenas espere e assista."

Na semana, Onyx foi obrigado a desmentir que haveria aumento de impostos, após o próprio Bolsonaro confirmar a informação. Após a confusão, o presidente pediu “coesão” dos ministros e, apesar de ter sido porta-voz de declarações desencontradas sobre importantes medidas econômicas do governo, determinou aos auxiliares uma espécie de lei do silêncio.

Mais do que problemas de comunicação, os desencontros escancararam uma queda de braço entre o núcleo político e a área econômica do governo, como revelou o Estado no sábado. Seguindo a solicitação de Bolsonaro, porém, Guedes negou essa divisão e disse não haver turbulências no horizonte.

 

“Todo mundo acha que tem uma discussão entre nós, uma briga. Nós somos uma equipe muito, muito sintonizada”, afirmou nesta segunda o titular da Economia, após citar o nome de Onyx.

Mais conteúdo sobre:
Sérgio MoroRosângela Moro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.