Após denúncias, Lupi vai deixar presidência do PDT

Acusado de favorecer políticos de seu partido em vários convênios, o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, vai deixar a presidência do PDT. O momento para o anúncio da decisão, no entanto, ainda será acertado com o Planalto. Lupi já conversou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e disse que seu substituto no PDT deve ser o atual secretário-geral do partido, Manoel Dias. Ele pretendia até mesmo afastar-se do comando da legenda nesta semana, mas declarações dadas pelo ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, fizeram com que resolvesse segurar um pouco mais o anúncio.Múcio afirmou, no fim de semana, que toda a ?marola? sobre a assinatura de convênios entre o Ministério do Trabalho e organizações não-governamentais (ONGs) e prefeituras ligadas direta ou indiretamente ao PDT só ganhou destaque porque Lupi é presidente do partido. Mais: argumentou que o colega deveria se licenciar do comando da legenda para sair da linha de fogo. ?É preciso escolher, porque não faz sentido o governo se desgastar com isso?, argumentou.Suas observações provocaram uma crise no PDT. Sob a alegação de que foi ?mal interpretado?, Múcio telefonou ontem para Lupi e pediu desculpas. Depois, ligou para líderes dos partidos no Congresso, na tentativa de desfazer a situação constrangedora.DefesaNa semana passada, Lupi negou as acusações de favorecimento em uma entrevista previamente combinada com o Planalto e disse estar sendo vítima de ?perseguição política?. Mesmo assim, anunciou o cancelamento de três convênios com ONGs para treinamento de trabalhadores, alegando razões técnicas, como ?falta de documentos?. Foi elogiado por Lula, que ficou satisfeito com suas explicações e enxergou na atitude um ?comportamento republicano?. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.