André Dusek/AE
André Dusek/AE

Após denúncia de revista, Demóstenes Torres nega ter sido investigado pela PF

Relação com bicheiro teria sido alvo de apuração; senador afirma que não será 'intimidado'

Rosa Costa, de O Estado de S. Paulo,

06 de março de 2012 | 19h14

BRASÍLIA - O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) negou nesta terça-feira, 6, na tribuna do Senado, a informação de que teria sido investigado pela Polícia Federal e Ministério Público por causa de sua ligação com o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. A denúncia foi feita pela revista Veja. Carlinhos Cachoeira foi preso pela Polícia Federal na semana passada, numa operação contra a máfia que explorava máquinas caça-níqueis em Goiás.

 

 

"A Coordenadoria de Processos Criminais da Procuradoria-Geral da República informou que não há nada no Ministério Público Federal, nenhuma investigação ou processo que envolva o meu nome", informou. "Não sou investigado em nenhum fato, não sou acusado de nada", reiterou. Demóstenes disse que falava da tribuna em deferência aos colegas senadores e a seus eleitores e não para se defender. "Até porque não existe do que, não há motivo", declarou.

 

 

O senador disse que agora ele é que exige ser investigado de forma legal pelo foro adequado, o Supremo Tribunal Federal. E avisou que não será "intimidado" pela escuta de suas ligações telefônicas. "Disse e repito: podem grampear à vontade. Não vão encontrar nada. Isso não vai me intimidar", afirmou. Demóstenes Torres recebeu apartes de 43 senadores, apoiando a postura que adotou nesse episódio.

 

 

Demóstenes informou que conhece Cachoeira na condição de empresário que explorava algumas modalidades de jogos. "Eram negócios considerados lícitos. Como empresário, ele frequentava a alta sociedade goiana, convivia com pessoas das mais variadas áreas, que nem por isso estão comprometidas com suas atitudes", disse o senador.

 

 

Sobre as ligações telefônicas que trocou com Cachoeira, Demóstenes disse que se tratavam de "conversas triviais". Ele confirmou ter recebido de Cachoeira e de sua mulher uma geladeira e um fogão importados, no ano passado, quando se casou, mas que não vê como relacionar a "gentileza" à suspeita de estar envolvido em irregularidades.

Tudo o que sabemos sobre:
Demóstenes TorresCarlinhos Cachoeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.