Após denúncia, apoio de Puccinelli a deputado sai da TV

Depois de denunciar em vídeo divulgado na internet que o governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), recebia mensalmente R$ 2 milhões da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Ary Rigo (PSDB) não aparece mais ao lado do governador em toda a campanha eleitoral. As imagens de Puccinelli elogiando Rigo e pedindo votos para ele desapareceram da TV, assim como os áudios das emissoras de rádio. Nos outdoors que não foram retirados ambos aparecem com os rostos cobertos por faixas de tinta preta.

JOÃO NAVES DE OLIVEIRA, Agência Estado

27 de setembro de 2010 | 20h12

Rigo, que é integrante da coligação "Amor, Trabalho e Fé", liderada por Puccinelli, era considerado um dos pilares na Assembleia do governador. Exerce o oitavo mandato e, na campanha para reeleição ao cargo de deputado estadual, defende que sua vida política é uma das mais exemplares.

A assessoria do parlamentar informou existir orientações para não tocar mais no assunto. "Tudo que o deputado pode falar está na nota oficial distribuída dia 22 deste mês", disse um dos assessores. O comunicado afirma em 14 parágrafos que "a gravação foi editada e, por isso mesmo, seu conteúdo não traduz a conclusão apresentada".

Em contrapartida, hoje, um vídeo mostrando o caso conhecido por "farra da propaganda", escândalo ocorrido durante os oito anos de mandato de José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, ganhou as ruas de Campo Grande. Na ocasião, foram denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE) secretários de Estado, funcionários do primeiro escalão e o próprio Zeca do PT.

A Justiça ainda não julgou o caso, que aponta superfaturamento no pagamento de R$ 120 milhões para agências de publicidade, gráficas e políticos do Estado. A assessoria de Zeca do PT explicou que o caso ainda está pendente, mas o ex-governador já respondeu a sua parte, interessado, conforme a assessoria, na apuração de todas as acusações e a devida punição aos culpados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.