Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Após delação de Delcídio, Comissão de Ética da Presidência abre processo contra Mercadante e Cardozo

Acusação contra ministro da Educação tem como base a delação premiada do senador Delcídio Amaral; para OAB do DF, advogado-geral da União confunde atuação partidária com atividades na AGU

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2016 | 20h30

BRASÍLIA - A Comissão de Ética Pública da Presidência determinou nesta segunda-feira, 28, a abertura de dois processos para investigar a conduta dos ministros Aloizio Mercadante (Educação) e José Eduardo Cardozo (Advocacia-Geral da União).

O processo contra Mercadante foi aberto a pedido da bancada do PSDB no Senado, após o ministro ser citado na delação premiada do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS). Delcídio acusa Mercadante de ter oferecido ajuda a ele em troca de seu silêncio. Um assessor do senador gravou as conversas com o ministro.

Já a denúncia contra Cardozo partiu da sessão do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF). A entidade, que chega a pedir a demissão do ministro, diz que ele confunde a sua atuação partidária com a missão de defender o Estado, ao assumir “uma defesa verborrágica e claramente política da Presidente da República”.

“Em ambos os casos, a comissão proporcionará aos denunciados o pleno exercício de sua ampla defesa, assim como diligenciará a reunião dos elementos necessários ao exame decisório dos pedidos formulados”, diz a nota assinada pelo presidente do colegiado, Mauro de Azevedo Menezes.

Segundo a assessoria de Mercadante, o ministro ainda não foi notificado, mas, quando for, vai prestar todos os esclarecimentos necessários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.