Felipe Rau|Estadão
Felipe Rau|Estadão

Após declarações contrárias ao uso de militares, FHC visita Temer em SP

Tucano diz que foi 'mal interpretado' ao falar do uso do Exército por 'governos fracos'

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

02 Março 2018 | 19h35

O ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso aproveitou a passagem do presidente Michel Temer pela capital paulista e fez uma visita a residência do emedebista na capital. Segundo fontes, a conversa que durou mais de uma hora tratou de diversos assuntos.

O encontro aconteceu após FHC dar declarações esta semana, em evento do Estado de que "governos, quando não são fortes, apelam para os militares." Temer já havia tentado minimizar as declarações do tucano e em recentes entrevistas afirmou que achava ter sido "um exagero da linguagem". "Tenho impressão que o presidente [FHC] se pautou por um critério dele. Pode ser que em dado momento o governo dele tenha se enfraquecido e que ele tenha pensado nas Forças Armadas", disse o presidente.

++ FHC está certo: quem tem apoio só do mercado não ganhará eleição', diz Meirelles

Já o tucano, depois das suas declarações repercutirem, também tentou minimizar a fala e em entrevista a CBN afirmou que a intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro é um processo que demanda tempo. "Os militares têm conduta correta, só vão quando são chamados."

FHC tentou ainda se explicar: "Eu disse - e fui mal interpretado - que os militares são chamados quando os governos se enfraquecem. Não posso dizer isso no caso do Rio, mas é preciso evitar o uso abusivo das forças armadas". E ressalvou que hoje não há preocupação que se tinha no governo militar, de tomada de poder.

++ ‘Conexão Estadão’: Fernando Henrique faz críticas ao atual momento no país durante o Fórum Estadão

Temer foi hoje de manhã para Sorocaba (SP) para uma cerimônia de entrega de ambulâncias. Depois o presidente seguiu para a capital para o que o Planalto considerou "agenda privada". O presidente ainda não definiu se retorna para Brasília ou permanece em São Paulo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.