Após confusão, deputado pede desculpas a Chinaglia

Em pedido encaminhado à Câmara, parlamentar cita episódio em que foi algemado pela Polícia Federal e diz que ainda sofre com o ocorrido

DAIENE CARDOSO E RICARDO DELLA COLETTA, Agência Estado

05 Dezembro 2013 | 17h29

Brasília - O deputado federal Sebastião Bala Rocha (SDD-AP) encaminhou na tarde desta quinta-feira, 5, um pedido de desculpas à Mesa Diretora da Câmara pelo episódio envolvendo o bate-boca com o líder do governo, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP). Bala Rocha também solicitou a retirada dos registros taquigráficos onde ele chama o petista de "filho da puta", o que deve ser acatado pela a Câmara.

"A mencionada expressão foi usada numa reação instantânea à agressão que sofri por parte do líder do governo que citou episódio, ocorrido em 2004, no contexto da Operação Pororoca, em que fui injustamente algemado pela Polícia Federal e que até hoje me faz sofrer e a toda minha família", diz no requerimento o parlamentar, que é vice-líder da bancada do Solidariedade. Bala Rocha foi eleito pelo Amapá e responde no Supremo Tribunal Federal (STF) por formação de quadrilha, prevaricação, corrupção passiva e crime contra a lei de licitações.

Mais cedo, Chinaglia e Bala Rocha protagonizaram uma discussão no plenário. Os parlamentares votavam um acordo entre os governos brasileiro e francês para aumentar a fiscalização imigratória entre Brasil e Guiana Francesa e combater a exploração ilegal de ouro no país vizinho. O desentendimento começou após o petista mencionar que um acordo havia sido selado na quarta com o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência da República) para a votação da proposta.

"Houve uma reunião ontem, a deputada Dalva (Figueiredo), da bancada do PT, me relatava, em que o ministro Gilberto Carvalho acatou a ponderação - e nem podia ser diferente - daquilo que foi trabalhado na linha da reciprocidade, e a reciprocidade se dará de uma das duas maneiras: ou a França dá o tratamento que atualmente o Brasil dá aos cidadãos franceses adentrarem o Brasil, ou se não o fizer, nós faremos como fizemos com a Espanha, com os cidadãos espanhóis: o ministro veio aqui, se comprometeu e assim foi feito", disse Chinaglia.

Alguns parlamentares entenderam que Chinaglia havia confundido que o encontro aconteceu com a bancada petista e não com os deputados do Amapá. "A reunião do ministro Gilberto Carvalho foi com a bancada do Amapá, não do PT apenas", interferiu o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ). "Eu não disse que a reunião foi apenas com a deputada Dalva. Eu disse que ela me informou. É só pegar a degravação, até porque eu tenho o direito de escolher os exemplos que eu quiser", respondeu o líder.

Discussão. Durante a discussão, Chinaglia insinuou que parlamentares de outras bancadas estavam tentando se "apoderar" do resultado do trabalho coletivo. O deputado e ex-senador do Amapá, que foi relator da matéria na Comissão de Relações Exteriores da Casa, reagiu: "Não estou me apoderando de nada, estou relatando esse projeto há quatro anos e meio. Eu conheço a matéria e agi com responsabilidade esse tempo todo", retrucou.

No calor dos ânimos, Chinaglia subiu o tom. "Só tenho a dizer uma coisa a Vossa Excelência: graças à minha formação, eu nunca fui algemado na minha vida", provocou o petista, referindo-se à prisão do deputado em 2004. Na tarde desta quinta, Chinaglia afirmou a jornalistas que ainda não se decidiu se adotaria algum tipo de queixa formal por conta das palavras usadas por Bala Rocha, mas disse que "tende a perdoar". "É só assistir o vídeo (da sessão) e ver onde estava o nível de cada um. Não quero ficar alimentando esse tipo de debate; quem baixou o nível foi ele", disse.

Bala Rocha foi à tribuna dizer que retiraria a obstrução e alegou ter sido "agredido gratuitamente" pelo petista. "Para mim este é um episódio ultrapassado. Somente uma mente perturbada, uma personalidade doentia, é que pode fazer menção a um episódio acontecido no passado quando alguns de seus companheiros estão condenados pelo Supremo Tribunal Federal", disse o parlamentar.

Mais conteúdo sobre:
Câmara bate-boca desculpas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.