Reprodução / Twitter
Reprodução / Twitter

Após cobranças ao governo, bancada evangélica almoça com Bolsonaro para selar a paz

Grupo seleto de parlamentares se reúne com presidente após percalços envolvendo o deputado Marco Feliciano

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2021 | 19h46

BRASÍLIA – Um grupo seleto de parlamentares da bancada evangélica almoçou nesta terça-feira, 18, com o presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto, para reafirmar seu apoio ao governo, após percalços envolvendo o deputado Marco Feliciano (Republicanos-SP).

A bancada evangélica no Congresso tem hoje 114 deputados e 14 senadores e é uma das mais fiéis ao governo. No mês passado, porém, após a nomeação da advogada Claudia Mansani Queda de Toledo para a presidência da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Feliciano foi ao Twitter cobrar explicações de Bolsonaro pelo “viés esquerdista” da indicada. Além disso, pôs seu posto de vice-líder do governo na Câmara à disposição.

“Aos pastores do Brasil todo que não param de me cobrar explicações sobre a nomeação de Claudia de Toledo para presidir a Capes: já levei o assunto ao PR @jairbolsonaro e cobrei explicações do Ministro da Educação. Coloquei meu cargo à disposição”, escreveu Feliciano no dia 15 de abril. A reclamação sobre o nome escolhido para a presidência da Capes também foi acompanhada por outros deputados da bancada, como Otoni de Paula (PSC-RJ), que é próximo de Bolsonaro.

“Houve ruídos sobre a bancada estar dividida e, na verdade, não existe nada disso”, afirmou o presidente da bancada evangélica, Cezinha de Madureira (PSD-SP). O deputado disse que o encontro foi justamente para mostrar a sintonia da bancada com Bolsonaro.

Além de discordar da nomeação para o comando da Capes, evangélicos usaram a tribuna da Câmara, na semana passada, para elevar o tom das cobranças a Bolsonaro sobre a situação de participantes da Igreja Universal que foram deportados de Angola.

“É importante que o Brasil fale, que o presidente Bolsonaro fale, porque o que nós vimos há alguns dias foi o presidente recebendo o motorista Robson, que foi preso na Rússia. O presidente apareceu do lado dele, dizendo que fez todos os contatos diplomáticos para resolver aquele problema. E com a gente, não? Dois pesos e duas medidas”, cobrou o deputado Márcio Marinho (Republicanos-BA) na sessão de quinta-feira passada.

Após o almoço desta terça-feira, 18, Feliciano divulgou fotos ao lado de Bolsonaro para seus contatos. Otoni de Paula gravou um vídeo com o presidente anunciando sua ida ao Rio de Janeiro, no dia 23.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.