Após cerimônia com autoridades, velório de José Alencar é aberto ao público

A missa de corpo presente do ex-vice-presidente José Alencar terminou no fim da manhã desta quarta-feira, 30, e boa parte das autoridades já deixou o salão principal do Planalto, onde ocorre o velório. Compareceram à cerimônia ministros de Estado, ministros de tribunais superiores e parlamentares, inclusive da oposição, como os senadores Aloizio Nunes Ferreira (PSDB-SP), Alvaro Dias (PSDB-PR) e Itamar Franco (PPS-MG). O velório já foi aberto para o público.

Agência Estado,

30 de março de 2011 | 13h31

O ex-ministro José Dirceu  lamentou a morte do amigo a quem comparou a um pai. “O Lula disse que perdeu um irmão e eu perdi quase um pai”, afirmou Dirceu. Segundo ele, José Alencar foi uma amigo sempre presente “uma mão que me aparava, me protegia, muitas vezes me levantava”.

O líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias, disse que Alencar “foi discreto quando a discrição foi necessária, mas soube contrariar em determinados momentos, até ajudando a oposição ao criticar as taxas de juros”. “Mas teve habilidade para não se afastar do Poder”,observou.

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse que o Brasil perde muito em humanismo, com a morte de Alencar. “Não tenho dúvida que é algo que faz falta ao homem de forma geral este sentimento profundo de humanidade, caracterizada por ele”.

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, anunciou que dará o nome de José Alencar ao Hospital da Criança que será construído no DF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.