Após áudios, PSOL estuda nova representação contra Sarney

'Estado' revelou gravações que mostram participação do presidente da Casa na edição de atos secretos

AE, Agencia Estado

22 de julho de 2009 | 13h13

O senador José Nery (PSOL-PA) pediu à assessoria jurídica do partido que analise a necessidade de apresentar uma nova representação contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), ao Conselho de Ética. A nova representação provocaria o colegiado a investigar a revelação feita nesta quarta-feira, 22,  pelo jornal O Estado de S. Pauloque mostra a participação de Sarney na edição de atos secretos na Casa.

 

Veja Também:

somDiálogo 1 (30/3/2008 - 15h14min04s): Neta do presidente do Senado negocia com o pai, Fernando Sarney, cargo para o namorado na Casa

 

som  Diálogo 2 (31/3/2008 - 11h34min54s): Neta do presidente do Senado negocia com o pai, Fernando Sarney, cargo para o namorado na Casa

 

som  Diálogo 3 (01/4/2008 - 15h57min00s): Neta do presidente do Senado negocia com o pai, Fernando Sarney, cargo para namorado na Casa

 

som  Diálogo 4 (01/4/2008 - 21h00min53s): Neta do presidente do Senado negocia com o pai, Fernando Sarney, cargo para o namorado na Casa

 

som  Diálogo 5 (02/4/2008 - 09h36min17s): Filho do presidente do Senado, Fernando Sarney, tenta agilizar a contratação do namorado da filha

 

som  Diálogo 6 (02/4/2008 - 10h32min21s): Filho do presidente do Senado, Fernando Sarney, fala com o pai e  pede que ele dê "uma palavrinha com Agaciel" para a contratação e os dois conversam sobre "negócio da TV"

 

som  Diálogo 7 (25/03/2008 - 19h31min29s): Filho do presidente do Senado, Fernando Sarney, conversa com o filho João Fernando sobre o emprego dele como funcionário do senador Epitácio Cafeteira

Diálogos gravados pela Polícia Federal (PF) com autorização judicial mostram conversas entre o presidente do Senado, seu filho Fernando Sarney e Agaciel Maia. Nos diálogos é negociada uma vaga para o namorado da neta do peemedebista no Senado, que acabou contratado via ato secreto. Na avaliação de Nery, a reportagem deixa mais do que clara a ligação de José Sarney e Agaciel Maia. "O caso foi em 2008, quando ele já era senador, o que confirma a quebra de decoro parlamentar", diz o senador.

José Nery também deve recorrer ao Conselho de Ética, na volta do recesso parlamentar, contra a permanência de Paulo Duque (PMDB-RJ) na presidência do colegiado. Após ser eleito presidente da comissão, Duque disse que o PSOL era "um partido pequeno que ainda não existe". "Duque perdeu as condições políticas de conduzir o processo ao se manifestar antecipadamente quanto ao mérito da denúncia e ao dizer que o PSOL não existe", afirmou. "Tanto existe que apresentamos uma representação contra aqueles que há tanto tempo atropelam a moralidade pública", afirmou.

Denúncias

O PSOL já protocolou no Conselho de Ética uma representação responsabilizando Sarney pela edição dos atos secretos no Senado, que foram usados durante os últimos 14 anos para, entre outras medidas, nomear parentes de senadores e aumentar benefícios de servidores sem conhecimento público. Também pesam contra Sarney no Conselho de Ética três denúncias apresentadas pelo senador Arthur Virgílio (PSDB-AM), responsabilizando o presidente do Senado pela edição dos atos secretos e por suposta participação no esquema de desvio de dinheiro de patrocínio cultural da Petrobras pela Fundação José Sarney.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.