Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Após acolhimento de pedido de impeachment, movimentos anunciam novos atos

Coordenadores dos grupos afirmam que protestos serão para pressionar parlamentares a votarem favoravelmente ao afastamento

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2015 | 20h04

Em meio ao clima de comemoração pela decisão do presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de acatar o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff nesta quarta-feira, 2, coordenadores dos movimentos que organizaram os protestos de rua já falam em organizar novos atos, desta vez para pressionar parlamentares a votarem favoravelmente. Para ser instaurado o processo de impedimento são necessários 2/3 dos votos dos membros da Casa.

“O acolhimento do impeachmente fortalece a ideia de nova grande manifestação pública, junto com os outros grupos. Ainda não sabemos se faremos em 2015 ou em 2016”, disse o empresário Rogério Chequer, porta-voz do Vem Pra Rua.

Logo após a divulgação da notícia do acolhimento do pedido, os grupos anunciaram chamamentos públicos para que seus simpatizantes fossem às ruas em ao menos sete cidades.

O empresário Renan Santos, um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre disse que a ideia agora é pressionar os deputados, tanto no Congresso quanto nas suas respectivas bases. “Ficamos muito tempo assistindo esse jogo de empurra entre Cunha e o governo. Agora o jogo será nosso”, disse.

A porta-voz da Aliança Nacional dos Movimentos Democrátricos, Carla Zambelli, disse que oo grupo cogita realizar atos em aeroportos para pressionar os parlamentares. “Agora é batalhar para conseguir os dois terços”, disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffVem Pra RuaBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.