Após ações na Justiça, ponte é inaugurada em Aracaju

Ações na Justiça Federal, muita polêmica, uma manobra do Governo do Estado e finalmente foi inaugurada neste domingo, 25, a ponte Construtor João Alves, ligando Aracaju ao município de Barra dos Coqueiros e todo litoral norte do Estado sobre o rio Sergipe. A princípio a inauguração estava prevista para às 19 horas, mas o governo antecipou para às 17. Como o governador João Alves, PFL, e a vice-governadora, Marília Mandarino, PFL, foram impedidos pela Justiça de presidir a inauguração, o ato foi feito pelo secretário de Infra-Estrutura, Luiz Durval.A decisão de não permitir que o governador e a vice não participassem da inauguração partiu do juiz federal, Edmilson Pimenta. "O governador é candidato à reeleição e o esposo da vice governadora (César Mandarino, PFL), é candidato a deputado estadual", explicou o juiz ao comentar sua decisão anunciada ontem pela manhã. Durante a solenidade, o descerramento da placa foi feita por três netos do governador João Alves Filho.A iniciativa de tentar impedir a inauguração da ponte foi do Ministério Público Federal, através do procurador da República, Paulo Gustavo Guedes Fontes, sob alegação de que o ato seria utilizado para fins eleitoreiros, o que é vedado por lei. Ele também argumentou que não havia urgência na inauguração da obra, por isso pediu à Justiça Eleitoral que suspendesse o evento até o final das eleições. Ao ouvir o governo do Estado, o juiz Edmilson Pimenta entendeu que não havia motivos para não permitir a inauguração. Ele explicou que o procurador da República Paulo Gustavo Guedes poderia recorrer da sua decisão, mas só que a análise só ocorreria na segunda feira. Com a decisão favorável à inauguração, o Governo do Estado foi estratégico: antecipou em duas horas a inauguração, pois inicialmente estava prevista para às 19, mas ocorreu às 17 horas. Não houve discursos e para que a determinação do juiz fosse cumprida, não ocorreu nenhuma manifestação. Também foi proibida a utilização das imagens da solenidade nos programas eleitorais do partido do governador.A ponte, cuja inauguração também foi contestada pelo Partido dos Trabalhadores (PT), tem 18,5 metros de extensão, duas pistas para veículos, calçada para pedestre, ciclovia e ainda uma adutora que levará água do rio São Francisco para a Barra dos Coqueiros. Além da polêmica criada em torno da construção da ponte, houve até apostas de que a estrutura não ficaria pronta no dia 25 de agosto como prometera o governador João Alves.O promotor de Justiça, Roosevelt Batista Carvalho chegou a apostar que atravessaria o rio Sergipe a nado caso a obra fosse concluída. Para sua sorte, as chuvas impediram que a obra fosse entregue na data prevista, e ele não teve que nadar. Hoje, a partir do meio-dia, a ponte, cujo nome é uma homenagem ao pai do governador João Alves Filho, será aberta ao público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.