Após 89 dias, greve perde fôlego e adesão

Mais de 50 das 224 comarcas do Estado de São Paulo retomaram os trabalhos nesta sexta-feira, 89 dias após a paralisação dos funcionários do Judiciário paulista. Na quinta, após o Tribunal de Justiça (TJ) anunciar procedimentos disciplinares e desconto dos dias parados, parte dos funcionários havia voltado aos fóruns.O comando do movimento ainda tenta impedir a punição aos trabalhadores antes de determinar o encerramento da greve. Eles argumentam que, se houver o desconto, o TJ teria de pagar hora extra, caso sejam feitos esquemas especiais para retomar o andamento normal dos processos. O tribunal não definiu como compensará a paralisação.Na tarde desta sexta, representantes dos servidores reuniram-se com o presidente do Tribunal de Justiça (TJ), Luiz Elias Tâmbara, que prometeu tentar alternativas para amenizar as perdas salariais dos funcionários. Tâmbara, porém, disse "não voltar atrás" nas medidas tomadas, incluindo a proposta de 14,58% de reajuste. Os servidores reivindicavam 39%, mas aceitam correção menor, desde que não haja punições.Enquanto o comando estadual tenta acertar-se, comarcas do interior começam a voltar à normalidade. Na Baixada Santista, 90% dos servidores foram ao Fórum de Santos. Segundo os grevistas, 40% dos funcionários de São Vicente retomaram o trabalho, 60% em Praia Grande e 50% em Peruíbe, no litoral sul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.