Iara Morselli/ESTADÃO
Iara Morselli/ESTADÃO

Após 40 anos no PCdoB, Aldo Rebelo vai se filiar ao PSB

Ex-ministro de Dilma e Lula vai na contramão dos parlamentares do PSB que deixam a sigla por estarem mais alinhados ao governo Temer

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

25 Setembro 2017 | 20h45

BRASÍLIA - Quadro histórico do PCdoB, o ex-ministro e ex-presidente da Câmara dos Deputados Aldo Rebelo vai se filiar nesta terça-feira, 26, ao PSB.

A chegada de Aldo ao PSB coincide com o momento em que diversos quadros do partido articulam deixar a legenda. No início de setembro, o senador Fernando Bezerra (PE), se filiou ao PMDB. Um grupo de deputados também estuda migrar para o DEM.

O partido está rachado desde a morte da sua principal liderança, o ex-governador Eduardo Campos, em um acidente aéreo em agosto de 2014, durante a campanha presidencial.

Os parlamentares que querem deixar a legenda se identificam mais com o governo do presidente Michel Temer.

Aldo, no entanto, tem uma trajetória de mais de 40 anos na esquerda e uma atuação partidária mais parecida com a que vem sendo defendida pelo atual presidente do PSB, Carlos Siqueira.

Em nota, Siqueira afirmou que a Aldo está se filiando ao partido “por afinidade política, ideológica e programática”. A cerimônia acontecerá em Brasília, na abertura da reunião do diretório nacional do partido.

Aldo estava no PCdoB desde 1977, mas anunciou o seu desligamento da sigla em agosto deste ano. Ele foi presidente da Câmara dos Deputados e ministro nos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Com bom trânsito entre os congressistas, seu nome chegou a ser cogitado para vice do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em caso de afastamento do presidente Michel Temer. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.