Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Após 37 anos, família de Herzog recebe novo atestado de óbito do jornalista

Novo documento substitui definição anterior, 'asfixia mecânica por enforcamento', por 'lesões e maus tratos'

Roldão Arruda, O Estado de S. Paulo

15 de março de 2013 | 19h39

SÃO PAULO - Após 37 anos de espera, a família do jornalista Vladimir Herzog recebeu nesta sexta-feira, 15, uma nova certidão de óbito com a causa correta da morte dele, ocorrida em 1975, após sessões de tortura nas dependências do 2.º Exército, em São Paulo. O novo documento substitui a definição anterior, "asfixia mecânica por enforcamento", por "lesões e maus tratos".

A família comemorou o reconhecimento do Estado, perante toda a sociedade, do assassinato do jornalista. Mas, na avaliação da viúva, Clarice Herzog, o documento não significa um ponto final em sua luta. "Ainda queremos saber quem o matou", disse ela ontem, logo após a cerimônia em que recebeu o documento. "Todos aqueles que estavam envolvidos com a ditadura têm que ser desmascarados."

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) determinou em setembro do ano passado a emissão de um novo atestado de óbito, com base numa decisão tomada pela Comissão da Verdade. Colegiado foi criado para esclarecer as violações dos direitos humanos na época da ditadura militar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.