MST
MST

Após 15 dias, MST desocupa fazenda de amigo de Temer

Movimento saiu do terreno de Coronel Lima depois de liminar de despejo e negociação com a PM

Caio Sartori e José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

23 Março 2018 | 12h00

SOROCABA - Depois de 15 dias de ocupação, integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) desocuparam, na tarde desta quinta-feira (22), a Fazenda Esmeralda, do coronel da reserva João Batista Lima Filho, ex-assessor e amigo do presidente Michel Temer, em Duartina, interior de São Paulo. A saída foi negociada com a Polícia Militar, que chegou a enviar uma tropa até o local para fazer o despejo, após a concessão de liminar pela Justiça. Os sem-terra acabaram saindo de forma pacífica, segundo a PM.

+++PF encontra 12 ligações entre Temer e Lima no período da deflagração da Operação Patmos

A propriedade está em nome de Lima e de sua empresa de engenharia, a Argeplan, mas o MST alega que Temer é sócio oculto da propriedade, o que o presidente sempre negou. Foi a quarta invasão da propriedade desde 2016 e a terceira pelo MST. As terras, usadas para reflorestamento e criação de gado, já foram ocupadas também pela Frente Nacional de Lutas Campo de Cidade (FNL). A última invasão aconteceu no dia 7 de março e o MST alegou que o objetivo era denunciar a obtenção de patrimônio por da corrupção.

"Como a terra é fruto de corrupção, tem que ser imediatamente direcionada à reforma agrária", diz a porta-voz Célia Santos. 

A saída das cerca de 350 pessoas - número informado pelo MST - ocorreu por volta das 17h, mas o movimento acusa a polícia de descumprir o combinado e chegar às 8h com forte aparato. Depois de conversas, no entanto, a saída se deu no horário pré-determinado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.