EFE
EFE

Apoiadores de Lula prometem ficar acampados por meses apesar de juiz estipular multa

Prefeitura de Curitiba entrou na Justiça para que ex-presidente seja transferido

Edson Fonseca, especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

14 Abril 2018 | 21h52

Os grupos de apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que estão acampados próximos ao prédio da Polícia federal de Curitiba afirmam que estão preparados para resistir meses no acamamento. Nem mesmo a decisão judicial de multar em R$ 500 mil por dia as entidades responsáveis pela manifestação abalou a determinação do grupo.

O acampamento, que hoje conta com cerca de 500 pessoas, está sendo organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), entidades estudantis e de outras categorias. A organização está sendo suficiente para garantir o relativo conforto dos participantes.

“Nossa comida é suficiente para garantir as pessoas por pelo menos mais três meses. São doações de todo o Brasil que chegam a todo o momento”, afirma Madalena Cavalheiros, do MST de Quedas do Iguaçu, responsável por uma das cozinhas que funcionam no acampamento e serve cerca de 150 refeições diárias.

+ ‘Bolsonaro e Ciro trazem instabilidade’, afirma Meirelles

A organização também programou atividades para manter a atenção e a mobilização dos acampados. Cantores, grupos musicais, repentistas e contadores de histórias se revezam no espaço reservado para as apresentações. Em outro ponto são realizadas conferências on-line com integrantes do partido.

A maior preocupação da Prefeitura de Curitiba são os transtornos que o acampamento estaria causando aos moradores da região. Os próprios moradores se dividem. Parte proibiu que o grupo acampasse em frente à sua casa e vê a presença dos manifestantes com desconfiança. “Quebra a rotina da gente, mas só atrapalha mesmo quando há um excesso de barulho. Só torço para que acabe logo”, diz Catarina Muller, que está com a frente da casa liberada e fornece café para os policiais que fazem a patrulha na região.

+ 'Bando de rato de vagabundo', diz homem em Dubai a Eunício, petista e tucano

Outra parte se integrou ao movimento e colaboram com os acampados, com energia elétrica e uso dos banheiros. Outros ainda aproveitam para ganhar algum dinheiro vendendo serviços ou comida. É o caso do ambulante Joãozinho da Cocada, que mora na região e já foi candidato a vereador pelo PT. “Mudei meu ponto do centro da cidade para cá, para atender os companheiros”, afirma.

Mesmo a chuva e a queda da temperatura que atingiu Curitiba neste sábado, 14, não alteraram a rotina do acampamento. “Os companheiros de Curitiba estão solidários com o pessoal que veio para a manifestação. E mesmo boa parte dos moradores já entendeu nossa razão. Vamos ficar até que o presidente Lula seja libertado”, afirmou a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT. Ela visitou aos acampados no começo da noite deste sábado, mas sem fazer discursos. Gleisi fez fotos e conversou com os acampados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.