Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Apoiadores de Bolsonaro tacham historiador de ‘traidor’ e conseguem revogar nomeação no governo

Especialista em gerenciamento de bibliotecas e curadoria digital caiu de cargo relacionado à sua área de atuação

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 23h05

O historiador Aquiles Brayner – especialista em gerenciamento de bibliotecas e curadoria digital – caiu nesta quinta-feira, dia 23, de um cargo relacionado à sua área de atuação na Secretaria Especial da Cultura depois de virar alvo de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Com base em postagens feitas por Brayner nas redes sociais, ele foi tachado de “traidor” do governo.

Uma portaria desta quinta publicado em edição extra do Diário Oficial da União tornou sem efeito a nomeação do historiador como diretor do Departamento de Livro, Literatura e Bibliotecas, órgão que integra a Secretaria da Cultura, do Ministério da Cidadania. Antes de ser nomeado para assumir o departamento, ele trabalhou por um ano na Diretoria de Documentação Histórica da própria Presidência da República.

O especialista acumula passagem de mais de três anos pela Fundação Biblioteca Nacional e de 14 anos na British Library, a biblioteca nacional do Reino Unido, dona do maior acervo do mundo, com 170 milhões de itens – sendo grande parte digitalizada.

“Um traidor por dia, @jairbolsonaro ? PQP!”, escreveu Allan dos Santos, um dos principais blogueiros alinhados com o bolsonarismo e que habitualmente promove linchamentos virtuais, no Twitter. Ele tagueou três dos filhos do presidente: o senador Flávio Bolsonaro, o vereador Carlos Bolsonaro e o deputado federal Eduardo Bolsonaro.

Na postagem, Santos incluiu prints de publicações feitas por Brayner nas redes em 2018, nais quais ele demonstrava simpatia aos então candidatos presidenciais Fernando Haddad, do PT, e Guilherme Boulos, que disputou pelo PSOL.

O historiador excluiu sua conta do Twitter. O perfil era majoritariamente usado por Brayner para falar sobre temas relacionados à preservação do conteúdo web brasileiro e projetos e política para arquivar a memória digital de páginas que saem do ar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.