Aplicação de verba pública no governo de Zeca do PT é questionada

A legalidade das aplicações dedinheiro público durante o governo de Zeca do PT foi colocada em dúvida novamente.Desta vez se trata da liberação de pouco mais de R$ 63 milpara a ong (organização não-governamental) Sebrac (Serviço Brasileiro de Educação do Consumidor).A entidade é presididapela advogada Jane Resina Fernandes de Oliveira, tendo como presidente do Conselho Fiscal a mãe dela, Marli Motta Fernandes,e, como tesoureira, Jane Resina Fernandes de Oliveira, irmã da esposa do secretário estadual de Obras, Vander Loubet, RoselyLoubet.O Sebrac foi registrado no 4º Serviço Notarial e Registral de Títulos e Documentos de Campo Grande, no dia 11 dedezembro de 2000.No dia 15 do mesmo mês foi assinado o convênio no valor de R$ 63.370,00. Com vigência iniciada no dia 20 e término no dia 26 daquele mesmo mês, ou seja, a verba total foi entregue ao Sebrac em menos de uma semana.Outra dúvida é quanto à data de legalização da ong, pois o estatuto foi ratificado e feito novo registro no mesmo tabelião, nodia 19 de março deste ano.Do total da verba, a ong deu uma contrapartida de R$ 6,5 mil, recebendo portanto R$ 56.870,00,sacados do Fundo Estadual de Defesa do Consumidor.É a velocidade com que tudo aconteceu que está causando espanto ao deputado Onevan de Mattos (PMDB), membro da Comissão de Controle e Eficiência da Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul.Ele lembrou que o mesmo secretárioestadual de Assistência Social, Cidadania e Trabalho, Agamenon Rodrigues do Prado, exonerado do cargo depois de ter seunome envolvido em processo que apura desvio de dinheiro do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), foi quem liberou, na época, osR$ 63 mil para o Sebrac. Onevan comentou que a mesma comissão de que é membro está insistindo em explicações do secretário deObras, Vander Loubet, sobre prestações de contas ainda não apresentadas e desaparecimento de R$ 2 milhões do caixa doFundersul (Fundo de Desenvolvimento Rodoviário de Mato Grosso do Sul).Onevan comentou também que, enquanto no Senado se cogita a instalação da CPI das ONGs, no MS se estão criando ongs,para levantar dinheiro do governo. A presidente do SebracC, Jane Oliveira, disse que está juntando documentação paraesclarecer todas as dúvidas de Onevan de Matos. ?Ele foi precipitado. Não é bem assim como ele está falando. Vamosesclarecer tudo, e muito bem esclarecido?, afirmou.Vander Loubet disse que o dinheiro do Fundersul reclamado pelosdeputado está depositado no Tesouro estadual e deverá ser depositado no caixa do fundo, oportunamente.Quanto àsprestações de conta, Loubet disse que está cobrando das prefeituras beneficiadas com verbas do Fundersul que ainda não provaram ondegastaram o dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.