Amanda Perobelli/REUTERS e Dida Sampaio/ESTADÃO
Amanda Perobelli/REUTERS e Dida Sampaio/ESTADÃO

Apesar de 36% não terem candidato para 2022, analistas veem obstáculos para 'terceira via'

Potencial de votos de uma eventual 'terceira via' unificada ainda está longe de significar uma candidatura competitiva para enfrentar a polarização entre Bolsonaro e Lula

Cássia Miranda, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2021 | 16h46

A cerca de 18 meses das eleições de 2022 — e em meio a uma pandemia que não dá sinais de trégua —, 36% dos eleitores brasileiros dizem que ainda não sabem ou preferem não responder espontaneamente em quem vão votar para presidente. Divulgada ontem, a pesquisa XP/Ipespe mostra ainda que, nas respostas estimuladas, nas quais o entrevistado escolhe seu candidato a partir de uma lista de nomes, 29% declaram intenção de votar no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e 28% em Jair Bolsonaro. Os demais concorrentes de legendas de centro esquerda à direita, juntos, somam 29%. Mas esse potencial de votos de uma eventual "terceira via" unificada ainda está longe de significar uma candidatura competitiva para enfrentar a polarização entre o bolsonarismo e Lula, avaliam analistas ouvidos pelo Estadão

A pesquisa, feita entre os dias 29 e 31 de março, não alcança possíveis efeitos da assinatura, na última quarta-feira, de manifesto em defesa da democracia, firmado por seis presidenciáveis. O levantamento mostra, atrás de Lula e Bolsonaro, o ex-ministro Sérgio Moro (9%), o pedetista Ciro Gomes (9%), o apresentador Luciano Huck (5%), o governador tucano João Doria (3%) e o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (3%). Destes, apenas o ex-juiz não assinou o manifesto, embora tenha participado de sua elaboração. A pesquisa XP/Ipesp traz ainda Guilherme Boulos (PSOL) com 3%. Excluindo Boulos, a soma dos demais concorrentes alcança 29%, mesmo porcentual atribuído a Lula, mas cientistas políticos apontam que a fragmentação do centro e a exposição reduzida dos nomes em jogo na comparação com os de Lula e Bolsonaro estão entre os principais obstáculos para viabilizar essa "terceira via". 

Na avaliação do cientista Humberto Dantas, a polarização dá sinais de que se repetirá em 2022 e o centro tem parte da responsabilidade, se isso ocorrer. “Se esse centro sair fragmentado, de novo, as pessoas vão começar a fazer cálculos e desoxigenar as candidaturas menos potentes”, disse Dantas. Ele cita, como exemplo, o que ocorreu com Marina Silva e Geraldo Alckmin em 2018, que terminaram a corrida eleitoral com desempenho pior do que iniciaram a campanha. “A sensação hoje é de que é menos provável que uma candidatura do centro se alavanque por total desorganização e falta de convergência política e pelo eleitor não encontrar nessa opção algo que lhe agrade para além dessa polarização entre Lula e Bolsonaro.”

Para Antônio Lavareda, cientista político veterano de várias campanhas e que acompanha os levantamentos mensais da XP/Ipesp, a preferência por Lula e Bolsonaro identificada na pesquisa é proporcional à exposição de ambos na mídia. Segundo ele, Bolsonaro “faz campanha desde 2016” e, mesmo depois de eleito, segue “diariamente em campanha eleitoral”. Da mesma forma que o petista “está em campanha desde 1989”. Portanto, além de costurar a unidade do centro, essa "terceira via" ainda precisaria promover uma "brutal exposição” de seu representante para de fato se aproximar desse potencial de 29% das intenções de voto. 

"O primeiro desafio passa pela diminuição dessas alternativas. Se não, continuando a existir tantas opções de nomes de centro, vai continuar sempre fragmentado", explicou Lavareda. "Tem de fazer, além disso, um esforço brutal de exposição para alavancar o conhecimento desses nomes que se materializam como alternativas. Precisa de pré-campanha o mais cedo possível. Se não, vai consolidando a disposição das pessoas de escolherem os nomes conhecidos e plausíveis, que são, basicamente, Lula e Bolsonaro." Segundo ele, a melhor maneira de medir as chances eleitorais de um nome de centro é que ele se lance, desde já, na “prateleira eleitoral”, para que a presença na “gôndola” não seja protagonizada apenas por Lula e Bolsonaro. O resultado, avalia Lavareda, poderia ser medido ainda ao final deste ano: "Se nas pesquisas de novembro, dezembro, esse candidato de centro já não tiver num processo visível de crescimento, com dois dígitos, acima dos 10% e com perfil de crescimento, dificilmente isso ocorrerá em 2022". 

Falar na viabilidade de um “meio termo”, para o cientista político e fundador do Espaço Democrático, Rubens Figueiredo, é propor um arranjo político “quase impossível”. Para ele, a dificuldade de os nomes de centro se unirem em torno de um só candidato passa pela cláusula de barreira, que cria a tendência de os partidos lançarem os seus candidatos e por “um problema de narrativa”. 

“Porque um discurso de centro, numa sociedade polarizada como a nossa, é um discurso que tem muito pouco apelo. Porque vai ter Bolsonaro de um lado, com a pauta de comportamento, e Lula, de outro, com o discurso que a gente conhece, de olhar para os mais pobres, da distribuição de renda”, disse Figueiredo. “Então, temo um quadro muito difícil para viabilizar um candidato de centro.”

Lula não seria vice nem “se Deus descer na Terra”

Os cientistas políticos são unânimes na avaliação de que Lula não aceitaria dar um “passo atrás”, como sugeriu Ciro Gomes à Coluna do Estadão, para ser vice de uma chapa encabeçada pelo pedetista. Ciro sugeriu que Lula olhasse mais para o exemplo de Cristina Kirchner, que aceitou ser vice de Alberto Fernández ao invés de encabeçar a chapa que saiu vitoriosa na última eleição presidencial na Argentina.

Segundo Figueiredo, por exemplo, “nem se Deus descer na Terra”, o petista aceitaria ser vice de alguém. Ao defender uma aliança ampla capaz de impedir a reeleição de Bolsonaro no próximo ano, o ex-governador do Ceará defendeu que Lula tenha a “generosidade” de não disputar a eleição para o comando do País no ano que vem. “Isso não tem pé nem cabeça”, ressaltou o cientista político. 

Dantas classifica a proposta como “oportunismo” de Ciro. “Por que um cara que hoje tem quase 30% das intenções de voto abriria mão de uma candidatura por um cara que tem 9%?”, questionou. Segundo ele, falta “humildade” ao pedetista. Para Lavaredo, a sugestão de Ciro é “pouco exequível”. Mantendo a comparação com o caso argentino, o analista diz que o PT tem um Alberto Fernández para chamar de seu.“Se pensarmos bem, o PT, respeitada a comparação com o Partido Justicialista argentino, tem o seu próprio Alberto Fernández (com menos carisma mas também com menos rejeição): Fernando Haddad. Ele é visto até como tendo jeitão de tucano, e poderia concorrer sem a sombra da Lava Jato, com um vice do centro-direita e tendo Lula como grande eleitor”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.