Apertar controle é tendência no País e no mundo

A ideia do presidente do STF, Gilmar Mendes, de criar uma corregedoria para que o Judiciário possa controlar abusos de policiais é mais uma iniciativa na linha do controle externo das instituições, que vem se cristalizando no País e segue uma tendência comum às democracias ocidentais. Desde junho de 2005, quando foram criados os órgãos de controle do Ministério Público e do Judiciário, respectivamente o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), presidido pelo procurador-geral Antonio Fernando de Souza, e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), liderado por Mendes, há um esforço para garantir a fiscalização das instituições por pessoal de fora, não mais do próprio órgão, o que poderia estimular a impunidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.