André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Aos gritos de 'fora Cunha', deputados fazem sessão informal no Conselho de Ética

Ação foi uma resposta à manobra do presidente da Casa que anulou a sessão do Conselho de Ética que iria analisar o processo de sua cassação

Igor Gadelha, Daiene Cardoso e Daniel Carvalho, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2015 | 13h57

Brasília- Após deixarem o plenário da Câmara dos Deputados, em protesto contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deputados lotam a sala do Conselho de Ética e decidem fazer uma reunião informal. Os parlamentares circularam pela Casa com cartazes com os seguintes dizeres: "Tudo tem limite", "Chegou a hora", "Basta" e "Fora, Cunha".

Ao reabrir a sessão informal, o presidente do Conselho de Ética, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), fez um desabafo: "Nós não somos obrigados a obedecer aqueles que rasgam a Constituição e passam por cima da lei." Araújo avisou que esta sessão não é deliberativa para que não haja contestação futura da defesa de Cunha.

Mais cedo, deputados do PT, PSDB, PSOL e de outros partidos de oposição ao presidente da Câmara, deixaram o plenário por volta das 13h10 aos gritos de "Fora, Cunha" e "Eduardo pode esperar, a sua hora vai chegar" e seguiram para o Conselho de Ética da Casa. A decisão foi tomada após Cunha negar pedido dos parlamentares para revogar decisão do 2º secretário da Mesa Diretora, Felipe Bornier (PSD-RJ). Mais cedo, Bornier anulou a sessão do colegiado, quando seria analisado o parecer preliminar pela admissibilidade do processo contra o peemedebista por quebra de decoro parlamentar. 

O presidente do Conselho de Ética, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), chegou a propor acordo para que Cunha suspendesse a sessão plenária, em troca de Araújo retomar a reunião do conselho e fazer um apelo aos integrantes para que a sessão retomada fosse encerrada, por falta de "ambiente político". Antes de deixar o plenário, a líder do PC do B, Jandira Feghali (RJ), avisou que os deputados deixariam o local. "Ou retomamos a reunião do Conselho de Ética ou ninguém fica em plenário", afirmou. Cunha, contudo, ignorou a saída dos deputados e segue comandando a sessão. 

Antes, os parlamentares contrários ao presidente da Casa pediram que todos os deputados presentes no plenário da Câmara deixassem a sessão comandada por Cunha. Diante da decisão deo presidente da Casa de não revogar a anulação da reunião do Conselho de Ética desta manhã, que discutiria a admissibilidade de relatório de cassação de seu mandato, os deputados começaram a deixar o plenário, pedindo a saída dele da presidência da Casa e cobrando posição do PT.

A deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) foi uma das que cobraram a saída de Cunha da presidência e disse que a cada dia que passa sua permanência no comando da Câmara dos Deputados se torna insustentável.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.