JF Diorio/AE
JF Diorio/AE

Ao lado de Lula, Dirceu e Delúbio são homenageados no aniversário da CUT

No aniversário de 30 anos da CUT, presidente da central disse que 'companheiros que iluminam a militância petista e não tem medo de fazer política e sair a rua de cabeça erguida'

Guilherme Waltenberg e Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

29 Agosto 2013 | 00h15

SÃO BERNARDO DO CAMPO - O ex-ministro chefe da Casa Civil, José Dirceu, e o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, ambos condenados no caso do mensalão, foram homenageados hoje na festa dos 30 anos da CUT (Central Única dos Trabalhadores), em São Bernardo do Campo, cidade que também foi o berço do PT.

"Quero cumprimentar dois companheiros que iluminam a militância petista e não tem medo de fazer política e sair a rua de cabeça erguida: José Dirceu e Delúbio Soares, nós temos um orgulho enorme de vocês", disse em seu discurso o presidente da CUT, Wagner Freitas.

Dirceu estava sentado na primeira fila, na frente do palco, e separado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva — principal orador da noite — por apenas quatro cadeiras, mas os dois não se cumprimentaram. Já o ex-presidente Lula preferiu evitar os réus do mensalão em seu discurso e citou José Dirceu apenas uma vez em seu discurso, ao citar a queda da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

Lula citou ainda que o imposto contribuía com R$ 50 bilhões ao ano para a Saúde. Segundo Lula, se houvesse protesto como os de junho naquela época, "a CPMF não teria acabado". O ex-presidente também aproveitou a ocasião para defender a presidente Dilma Rousseff das críticas que vem recebendo dos sindicalistas, que reclamam de sua rigidez em negociações da chamada pauta sindical. "A Dilma tem o mesmo ou mais compromisso com vocês que eu tive. Ela é uma mulher que tem lado", afirmou.

As manifestações de junho também marcaram a fala de Lula. "Conheço bem a presidente Dilma Rousseff, ela teve coragem de dar respostas depois das manifestações de junho", afirmou. Nesse momento, Lula criticou também o alto preço dos ingressos para a Copa do Mundo de 2014 e deu uma estocada na Fifa. "Fizemos estádios, mas é justo que o preço dos ingressos possa caber no bolso do cidadão pobre. Em alguns jogo só tinham loiros de olhos azuis".

Lula também elogiou o presidente da Bolívia, Evo Morales, que vive momento de tensão diplomática com o Brasil, em função da fuga do senador boliviano Roger Pinto Molina da embaixada brasileira em La Paz. "Estamos vendo um índio na Bolívia fazer mais que os governantes de olhos verdes fizeram por muito tempo", concluiu.

Lula aproveitou também para elogiar a condução da política econômica pela presidente Dilma, apesar do baixo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) nos seus dois anos de governo. "É importante ter em conta que a crise afetou todo mundo e também afeta o Brasil. O Brasil compra e vende. Não estamos imunes", disse. "É verdade que o PIB não está crescendo tanto quanto a gente queria, mas ate agora a massa salarial continua crescendo e a taxa de desemprego está entre as mais baixas", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.