Ao lado de Dilma, presidente do PC do B faz defesa enfática de petistas presos

Para Renato Rabelo, julgamento foi eminentemente político e mídia tenta criar 'clima de regozijo que lembra a Idade Média'

Gustavo Porto e Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

15 de novembro de 2013 | 21h13

São Paulo - O presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, fez uma defesa enfática às lideranças do PT condenadas no mensalão que se entregaram nesta sexta, 15, após o mandato de prisão expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF)."Reiteramos a posição de dezembro de 2012. O julgamento foi eminentemente político, se realizou sob a pressão da grande mídia, que execrou e condenou os acusados", disse Rabelo.

Renato se manifestou durante o 13º Congresso do PCdoB, em São Paulo, que conta com a presença da presidente Dilma. Segundo ele, "o STF alterou a jurisprudência" e "foram negados aos réus o direito de serem julgados por duas instâncias". Rabelo afirmou ainda que "na defesa do estado democrático de direito que nenhum cidadão pode ser condenado com base na presunção da culpa".

Rabelo criticou ainda a "grande mídia", a qual, segundo ele, " busca criar um clima de regozijo que lembra a Idade Média, quando condenados na inquisição eram lançados à fogueira. O PCdoB não vê motivos para a festa e nem julga que a Justiça esteja sendo feita", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoDilma RousseffPC do B

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.