Ao explicar denúncias, Lupi diz que foi mal interpretado

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, abriu a audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado, na qual prestará novas explicações sobre as denúncias de corrupção e tráfico de influência contra ele, adotando uma postura contida, em contraste com o estilo irônico nas manifestações anteriores. Na conversa ontem com a presidente Dilma Rousseff, ela pediu ao ministro que apresente hoje explicações convincentes. Lideranças da base aliada admitiram que o estilo demasiado irônico do ministro não o ajuda.

ANDRÉA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

17 de novembro de 2011 | 10h18

Lupi enfatizou aos senadores que não mentiu em seu depoimento na semana passada na Câmara quando disse que não conhecia o empresário Adair Meira, dirigente da ONG Pró-Cerrado, que tem contratos milionários com o Ministério do Trabalho.

"Nunca neguei que o conheço, não disse isso", afirmou Lupi, que afirma ter sido mal interpretado. Recorrendo às notas taquigráficas do depoimento da semana passada, Lupi disse que foi questionado se tinha "relações" com Adair Meira. Mas segundo Lupi, ele não mentiu porque, realmente, não teria "nenhuma relação pessoal" com Meira, "não sou amigo dele".

Tudo o que sabemos sobre:
Carlos LupiaudiênciaSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.