Ao anunciar PAC em MT, Lula diz ser o 'Almir Sater do Planalto'

Presidente ganhou do prefeito de Cuiabá uma viola regional durante evento para liberação de R$ 500 milhões

31 de julho de 2007 | 16h02

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ganhou nesta terça-feira, 31, uma viola regional do prefeito de Cuiabá (MT), Wilson Santos, durante evento para anunciar a liberação de cerca de R$ 500 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para obras de saneamento básico. Ao pegar a viola de cocho (o violão pantaneiro) nas mãos, Lula disse ser o "Almir Sater do Planalto", em referência ao cantor, compositor e violeiro natural de Mato Grosso do Sul.   As vaias ocorreram do lado de fora do Centro de Eventos do Pantanal, onde acontecia o evento, mas o presidente afirmou na última segunda-feira que não iria se intimidar com as manifestações. Diante de ministros da coordenação política, no Planalto, afirmou que irá ao Rio Grande do Sul e ao Paraná por volta de 14 de agosto, quando retornar de seu périplo pelo México e por quatro países da América Central.   Na tentativa de evitar mais dissabores para Lula, como novas vaias, sua assessoria cancelara viagens que faria a Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina logo após a tragédia com o Airbus da TAM no Aeroporto de Congonhas, dia 17. "Ninguém vai me emparedar", afirmou Lula, na reunião de ontem. "Eu não vou deixar de andar o País por causa de vaia."   Até agora, o governo não organizou nenhuma estratégia para enfrentar hostilidades, mas pretende observar as manifestações com cautela. Há, na avaliação do Planalto, duas situações distintas em meio aos gritos de "Fora Lula": a primeira, considerada natural, de indignação das famílias de vítimas do acidente da TAM; a segunda, organizada pela oposição.   'Cansei' e mais vaias   Um auxiliar direto do presidente disse ao Estado que o governo identifica o bordão "Cansei" como uma "coisa armada" pelos adversários, especialmente do PSDB e do DEM. O movimento foi lançado por empresários e tem apoio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O verbo cansei é sempre associado a substantivos que causam dor de cabeça ao Planalto, como corrupção e apagão aéreo.Lula recebeu vaias na semana passada, em viagens ao Nordeste, e no dia 13, na abertura dos Jogos Pan-Americanos, no Rio. No diagnóstico do governo, porém, os apupos foram "superdimensionados" pela imprensa.   Apesar de garantir que viajará para o Paraná e o Rio Grande do Sul no meio de agosto, o presidente - que hoje assina convênios do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em Cuiabá e Campo Grande - não irá a Santa Catarina. A alegação oficial é de que "não terá tempo" para lançar pessoalmente o PAC em todos os Estados.   Na sexta-feira, ele pretende reunir no Planalto governadores de 12 Estados que ainda não visitou e dar por encerrada essa maratona de viagens para assinar protocolos do PAC.   (Colaborou Vera Rosa, do Estadão)

Tudo o que sabemos sobre:
LulaPAC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.