Anvisa suspende venda de 4 medicamentos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou nesta quinta-feira a interdição de quatro medicamentos que estavam fora dos padrões da legislação brasileira - lotes do Expectogerm, Atenolol, Capton e Ciprofloxan. Os laboratórios têm dez dias para recorrer da decisão.As farmácias e os hospitais que tiverem os lotes desses produtos devem recolher os medicamentos imediatamente e aguardar o resultado da contraprova.As vigilâncias sanitárias municipais e estaduais vão fiscalizar o cumprimento da determinação. Um dos medicamentos interditados é o Expectogerm, um similar do antibiótico Amoxicilina, produzido pela empresa Davidson Química e Farmacêutica Ltda, de São Gonçalo (RJ).De acordo com os testes, várias cápsulas estavam com o peso abaixo do limite, podendo comprometer a eficácia do produto. O rótulo do medicamento não apresentava informações importantes, como número de registro no Ministério da Saúde, data de fabricação, endereço do fabricante e nome e número do registro do farmacêutico responsável.A denúncia foi feita pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-RJ). A SMS-RJ também pediu análise de dois lotes do anti-hipertensivo Atenolol, similar produzido pelo laboratório NeoQuímica, situado em Anápolis (GO).O lote nº 6179 foi interditado porque amostras do comprimido apresentavam coloração levemente amarelada, diferente da original, e o rótulo do produto trazia o selo ISO 9001, não permitido pela legislação sanitária brasileira (decreto 78.094/77 e resolução 92/00).Outro lote do mesmo produto (lote nº 4067) não passou nos testes de dissolução, ou seja, 80% do comprimido não se dissolveram totalmente no prazo estipulado de 30 minutos, como deveria ter ocorrido.Nos dois casos, as denúncias partiram de pacientes do programa de hipertensão do Estado, que alegaram que o medicamento não fazia o efeito esperado. A Anvisa também interditou o lote nº 010850 do anti-hipertensivo Capton, medicamento similar do Captopril, fabricado pela Royton Química Farmacêutica Ltda., de São Paulo (SP).O comprimido analisado tinha cheiro forte, e o teor do princípio ativo estava a cima do permitido. Quem encaminhou a denúncia foi a vigilância sanitária do município de Guarapuava (PR).Quem descumprir estará sujeito às penalidades previstas na Lei nº 6.437/77, como notificação e multas que variam de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão.CiprofloxanAlém dessas interdições, a Anvisa determinou também a apreensão de todas as apresentações do antibiótico Ciprofloxan, fabricadas antes de 29/10/2001 pelo laboratório Hipolabor Farmacêutica.O medicamento estava sendo comercializado antes da obtenção do registro na agência, concedido somente na data mencionada. O recolhimento dos produtos deve ser feito imediatamente pela empresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.