Anvisa suspende lote de anticoncepcional injetável

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu suspender o uso e a comercialização do lote nº A33720 do anticoncepcional injetável Tricilon, fabricado pelo laboratório Akzo Nobel Ltda, Divisão Organon.Laudo do Instituto Adolfo Lutz (SP) constatou problemas no aspecto do medicamento (contém grumos e precipitados). A medida será publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira.A Anvisa já solicitou à empresa o mapa de distribuição desse lote do anticoncepcional em todo o País e determinou análise de outras unidades do produto em laboratórios oficiais. A avaliação que já está pronta foi feita com base em amostras recolhidas de algumas unidades de saúde de Campinas que receberam o Tricilon.Na cidade, onde o medicamento foi distribuído pela rede municipal de saúde, três mulheres que utilizaram o produto estão grávidas. A Prefeitura está convocando as mulheres que receberam a injeção para efetuar a substituição do método contraceptivo.A indústria produziu 55 mil ampolas do Tricilon, 10.500 unidades enviadas à Campinas. As pessoas que utilizam este lote do medicamento devem suspender o uso e procurar orientação médica para a substituição do anticoncepcional.Depois da publicação da suspensão no Diário Oficial, o laboratório deve providenciar o recolhimento do produto imediatamente. As vigilâncias sanitárias municipais e estaduais deverão fiscalizar o cumprimento da medida. Se houver descumprimento da resolução, a empresa será notificada e poderá receber multas que variam de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão, conforme a Lei n° 6.437/77. Para mais informações Tel.: (61) 448-1022/448-1301 Fax.: (61) 448-1252 E-mail: imprensa@anvisa.gov.br Site: www.anvisa.gov.br

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.