Anvisa proíbe venda de medicamento contra acne

A assessoria de comunicação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) confirmou que o genérico Isotretinoína, para tratamento da acne, foi retirado do mercado e seu uso está proibido porque o conteúdo das cápsulas é diferente do apresentado na droga de referência, o Roacutan, da Roche.Segundo a Anvisa, dois lotes do medicamento apresentaram o problema e, ainda, deficiência de dissolução no organismo. Por isso, todo o medicamento foi retirado do mercado, e os consumidores que o possuem não devem utilizá-lo, alerta a agência. As informações dadas pela Anvisa conferem com as declarações do médico toxiciologista Anthony Wong, em entrevista nesta tarde à Agência Estado. Segundo a entidade, o medicamento vem sendo retirado como medida de precaução, e necessitará de uma análise mais profunda que se verifique se todos os lotes da droga apresentam o mesmo defeito.A Anvisa não soube informar os números dos lotes - de qualquer forma, todos devem ser evitados pelos consumidores. De acordo com a assessoria de imprensa, a Anvisa está realizando uma inspeção de rotina no laboratório da Ranbaxy no Rio de Janeiro, para reconhecimento da linha de produção. Porém, as drogas apreendidas foram fabricadas na Índia e não no Brasil.Diante da constatação sobre a não conformidade do medicamento, o Ranbaxy tem o direito de pedir contraprova à Anvisa (um novo teste para detectar se realmente o produto apresenta problemas).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.