Anvisa proíbe venda de cópia paraguaia do Viagra

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu a venda do medicamento Pramil 50 mg, uma cópia, feita no Paraguai, do remédio contra impotência Viagra. Embora não tenha registro na Anvisa, o remédio era vendido em farmácias brasileiras. Ele tem o mesmo princípio ativo do Viagra, e é produzido pelo laboratório Novophar, que fica em Assunção.O primeiro caso de comercialização ilegal do Pramil foi identificado no mês passado pela Polícia Federal em Catalão (GO). O medicamento era vendido em uma farmácia da cidade. Outro lote de 510 caixas do Pramil foi localizado, também pela polícia, em Ponta Porã (MS). A Anvisa suspeita que o remédio era contrabandeado para o Brasil pela fronteira do Mato Grosso do Sul, e não descarta a hipótese de que ele esteja à venda em outros lugares do País.Segundo a agência, o Pramil tem o mesmo princípio ativo do Viagra e era vendido a R$ 12 - um preço bem inferior ao Viagra, que custa cerca de R$ 50. O problema é que, como o Pramil não foi testado no Brasil, não há garantias de que ele atue exatamente da mesma maneira que o Viagra. Também porque o remédio não foi testado no País, não existem garantias de que ele não faça mal à saúde.A agência alerta para o fato de que as farmácias onde o produto for localizado estão sujeitas às penalidades previstas em lei, que vão desde notificação até o fechamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.