Anvisa proíbe repositores de cálcio, antiinflamatório e antibiótico

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Ministério da Saúde, ordenou a apreensão, em todo o País, dos lotes nº 00020144, 00030193, 00080760 e 00090970 do repositor de cálcio Gluconato de cálcio 10%, injetável, produzido pelo laboratório Hypofarma - Instituto de Hypodermia e Farmácia Ltda.Análise de rotina do laboratório Noel Nutels constatou que osreferidos lotes do medicamento apresentam cor insatisfatória e no rótulo não consta data de fabricação e número do registro no Ministério da Saúde. A medida foi publicada nesta terça-feira no Diário Oficial da União, por meio das Resoluções nº 263 a 266.DiclofenacoA Anvisa estabeleceu também a apreensão do lote nº 3894 do antiinflamatório Diclofenaco, fabricado pelo laboratório Neo Química Comércio e Indústria Ltda. O Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) constatou que a dissolução do produto não está de acordo com o padrão exigido.Gluconato de sódio 10%, do HypolaborA Agência determinou ainda a interdição cautelar do lote nº 004/01 do Gluconato de cálcio 10% fabricado pela empresa de Sabará (MG) Hypolabor Farmacêutica Ltda. A embalagem não tinha data de fabricação.BenzilpenicilinaTambém está interditado o lote nº 0008586 do antibiótico Benzilpenicilina, ampola-pó, fabricado pelo Prodotti Laboratório Farmacêutico Ltda. Conforme ensaio realizado pelo INCQS, o pó do medicamento tem cor amarelada, ou seja, está fora dos padrões estabelecidos. As interdições são válidas por 90 dias.No período, as empresas devem apresentar contraprova. Todos os produtos mencionados deverão ser retirados imediatamente das prateleiras nos pontos de venda. As vigilâncias estaduais e municipais são responsáveis pela fiscalização do cumprimento das medidas.No caso das apreensões, cabe ao laboratório o recolhimento dos medicamentos. Se as determinações não forem respeitadas, poderão ser aplicadas penalidades previstas na Lei nº 6.437/77, como notificação e multas de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.