Anvisa interdita fabricante de remédio suspeito de matar

O lote 3040068 do medicamento suspeito de ter provocado a morte de pelo menos 13 pessoas ? 11 em Goiás e duas na Bahia ? foi distribuído para 141 cidades do País. O laboratório Enila, que produz o Celobar, contraste usado em exames radiológicos, foi interditado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e está impedido temporariamente de produzir, distribuir e comercializar medicamentos. O gerente de marketing da Anvisa, Odilon Costa, disse nesta quinta-feira que a medida da agência ?é uma decisão cautelar de rotina?.A empresa admite que os níveis microbiológicos do lote suspeito do Celobar estavam ?acima do permitido?, mas afirma que ?não existe nenhum relato de que o sulfato de bário, princípio ativo do medicamento, seja capaz de causar mortes, porque não é absorvido pelo organismo?.O laboratório constatou, porém, que o produto provocou sintomas atípicos em pacientes, como dor abdominal, vômito, tonteira e diarréia. Ainda não se sabe o que teria causado o problema. Ao todo, foram distribuídas 4.500 unidades do medicamento, que está há 51 anos no mercado.De acordo com a Anvisa, o lote suspeito foi recolhido imediatamente, assim que se soube do problema. ?Não trabalhamos com hipóteses. Por enquanto, tudo ainda é muito prematuro. Se ficar comprovado que houve algum problema, vamos seguir a determinação da lei?, disse Costa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.