Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Anvisa descarta problema com medicamento Bariogel

A comoção em Goiás com as 21 mortes de pacientes que ingeriram o Celobar acabou gerando suspeitas de que outro medicamento, o Bariogel, poderia ter sido a causa da morte de uma mulher em Goiânia.Por precaução, a Vigilância Sanitária do Estado interditou o produto fabricado pelo laboratório Cristália. Mas, nesta sexta-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) praticamente descartou a suspeita. ?Não há indícios suficientes para determinar a interdição do medicamento em todo o país?, informa nota da Anvisa divulgada nesta sexta-feira.A Anvisa esclareceu que recebeu do fabricante do Bariogel documentos ?que comprovam o controle de qualidade e a origem da matéria-prima utilizada na fabricação do produto?. Mas, para tirar as dúvidas, solicitou que a vigilância estadual enviasse amostras do Bariogel para análise em laboratório oficial.O presidente da Cristália Produtos Químicos e Farmacêuticos Ltda, Ogari Castro Pacheco, também divulgou nota informando que em uma clínica de Goiânia faleceu um paciente que teria tomado o Bariogel. ?Fornecemos 100 frascos e eles usaram 60 sem nenhum tipo de problema. Fomos à Anvisa, pegamos a prova, reanalisamos com todas as possibilidades. A conclusão é zero de chance de ser problema nosso?, garantiu Pacheco.O fabricante levanta algumas possibilidades para a causa da morte da paciente. A primeira é que a paciente não tenha tomado Bariogel e sim outro remédio. A outra é que a mulher tinha alguma doença de base e morreu por causa disso. ?A possibilidade de ter morrido por causa do Bariogel é literalmente zero?: ?Estamos pedindo encarecidamente para a Anvisa analisar os outros 40 frascos. Estamos absolutamente tranqüilos quanto ao nosso produto?.Bariogel é um medicamento de contraste radiológico à base de sulfato de bário. É usado para detectar lesões no estômago. A Cristália começou produzir o produto há 20 anos e faz 25 mil frascos por mês. Desse lote (03010191, recolhido em Goiás), foram 5 mil frascos para o Brasil inteiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.