Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

Antes de Wizard desistir de cargo na Saúde, Bolsonaro pediu 'dossiê' sobre relação dele com Doria

Presidente já havia solicitado ao “seu sistema de informação particular” que averiguasse a vida pregressa do bilionário; caso Wizard entrou na lista de prioridades de checagem

Jussara Soares e Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2020 | 12h55

BRASÍLIA - Antes de o empresário Carlos Wizard desistir de assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde no domingo, 7, o presidente Jair Bolsonaro já havia solicitado ao “seu sistema de informação particular” que averiguasse a vida pregressa do bilionário. O chefe do Executivo não chegou a vetar a nomeação do empresário, mas ficou irritado com a sequência de entrevistas de Wizard à imprensa e  principalmente com a suposta ligação do empresário com o governador de São Paulo, João Doria, seu adversário político. 

Para interlocutores do presidente, Wizard se antecipou a uma  possível demissão ao deixar de atuar como conselheiro do Ministério da Saúde e recusar o cargo no Executivo. A posse dele estava prevista para segunda-feira, 8. Ontem, ele esteve no local para se despedir.

No dia 13 de abril, o empresário elogiou as ações de Doria no enfrentamento à pandemia do coronavírus. “O Brasil precisa de um gestor como o governador de São Paulo, João Doria”, escreveu na ocasião. Esta mensagem foi repassada a Bolsonaro junto com outras que evidenciavam a proximidade de Wizard com seu adversário político. O empresário chegou a se  filiar ao PSDB a pedido de Doria, mas depois se desligou.  O presidente então pediu mais dados antes de decidir tirá-lo do governo.

Como mostrou o Estadão, o sistema de inteligência particular do presidente tem policiais, agentes dos serviços de inteligência e aliados. Ainda de madrugada, Bolsonaro costuma selecionar informações recebidas no WhatsApp entre aquelas que precisam ser “checadas” por seus assessores ou “cobradas” às respectivas áreas. O caso Wizard entrou na lista de prioridades de checagem.

Outro motivo que colocou Wizard na berlinda foi sequência de entrevistas dadas à imprensa antes mesmo de assumir o cargo no governo. Ao jornal “O Globo”, na sexta-feira, 5, afirmou que os dados de mortos eram “fantasiosos” e que governos estaduais e municípios estariam inflando os números para receber mais recursos do governo federal.

O bilionário afirmou ainda que gestores de Estados e municípios estão “inflando os números” para conseguir mais recursos públicos, o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, teve de atuar como bombeiro. Ele telefonou no domingo, 7, para representantes do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) para amenizar o estrago causado pelo empresário. 

O Conass havia reagido ao que disse Wizard. Em nota, o presidente da entidade, Alberto Beltrame, disse que as acusações eram “levianas” e que o governo tentava invisibilizar mortos pelo coronavírus. “Não prosperará. Nós e a sociedade brasileira não os esqueceremos e tampouco a tragédia que se abate sobre a nação”, completou.

Apesar da guinada no discurso sobre a covid-19 do Ministério da Saúde desde a saída do oncologista Nelson Teich, secretários de Estados e municípios dizem ter melhor relação com Pazuello. Como não há mais esperança de que o ministério lidere a estratégia de combate a covid-19, o que gestores locais argumentam é que o general, ao menos, é mais pró-ativo para discutir a liberação de recursos e insumos.

Na noite de domingo, 7, Wizard, por meio de nota, informou que não atuaria mais na  pasta. “Informo que hoje (7/junho) deixo de atuar como Conselheiro do Ministério da Saúde, na condição pro bono. Além disso, recebi o convite para assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos da pasta. Agradeço ao ministro Eduardo Pazuello pela confiança, porém decidi não aceitar para continuar me dedicando de forma solidária e independente aos trabalhos sociais que iniciei em 2018 em Roraima”, declarou Wizard.

O empresário lamentou as declarações que deu nos últimos dias, sobre o plano de recontar os mortos pela covid-19, porque haveria irregularidades nas informações. “Peço desculpas por qualquer ato ou declaração de minha autoria que tenha sido interpretada como desrespeito aos familiares das vítimas da covid-19 ou profissionais de saúde que assumiram a nobre missão de salvar vidas”, afirmou, na nota.

A entrada de Wizard no Ministério da Saúde foi antecipada pelo Estadão no dia 2 de junho. Dono da  Mundo Verde, a maior rede de varejo de alimentos orgânicos do País, e de marcas como  KFC e Pizza Hut no Brasil, o empresário atuava como conselheiro de Assuntos Estratégicos no ministério. O bilionário e o ministro interino da Saúde trabalharam juntos na "Operação Acolhida", que ajuda venezuelanos que cruzam a fronteira com o Brasil.

Procurado, Carlos Wizard não quis comentar sobre o pedido de averiguação feito pelo presidente Bolsonaro nem sobre suas relações com Doria. O governador de São Paulo não retornou ao contato da reportagem.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.