Antes de denúncias, Gushiken era homem forte de Lula

Luiz Gushiken já foi um dos homens mais poderosos do atual governo, quando chefiava a Secretaria de Comunicação, a Secom, que tinha status de ministério. Perdeu poder após denúncias de que teria feito contratos publicitários sem licitação pública. A secretaria foi extinta em julho de 2005 e Gushiken foi deslocado para chefiar o Núcleo de Ações Estratégicas (NAE), subordinado à Secretaria-Geral da Presidência. Ele fazia parte do grupo original de conselheiros do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, conhecido como ´núcleo duro´ que se dissolveu por conta das sucessivas crises no governo, restando apenas Luiz Dulci, chefe da Secretaria-Geral da Presidência. A primeira versão do time abrigava os ministros mais poderosos do PT: José Dirceu (Casa Civil), Antonio Palocci (Fazenda), Luiz Gushiken e Dulci. Acusado de envolvimento no esquema do mensalão, Gushiken está na lista das 40 pessoas denunciadas pelo Ministério Público Federal, ao lado de José Dirceu, que é apontado como ´chefe´ da suposta ´mesada´ paga a deputados para votarem a favor de projetos de interesse do Poder Executivo.Coordenador das campanhas de Lula em 1998 e 2002, Gushiken também está envolvido em suspeitas de superfaturamento na confecção e distribuição de cartilhas durante sua permanência na Secom. A auditoria do TCU chegou a levantar a suspeita de que não havia comprovantes de que os folhetos tinham sido confeccionados.As agências de publicidade Duda Mendonça & Associados, do ex-marqueteiro do presidente Lula, e Matisse Comunicação de Marketing, do publicitário Paulo de Tarso Santos, criador do jingle Lula-lá, também estão envolvidas nas irregularidades.Com a saída de Gushiken, assume interinamente o cargo o coronel Oswaldo Oliva Neto, atual secretário-geral do NAE e coordenador dos trabalhos de planejamento estratégico consolidados no projeto Brasil 3 Tempos. Oliva Neto também é irmão do senador Aloizio Mercadante e pode ficar no cargo até o fim do primeiro mandato de Lula, que deve anunciar em breve o novo Ministério.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.