Fabio Motta|Estadão
Fabio Motta|Estadão

'Antes batiam à nossa porta e a gente sabia que era o leiteiro', ironiza Gilmar Mendes

Ministro do Supremo Tribunal Federal faz brincadeira com condução coercitiva do ex-presidente Lula em evento em Fortaleza

Carmem Pompeu, especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

04 de março de 2016 | 14h57

Fortaleza - "Antes batiam à nossa porta e a gente sabia que era o leiteiro, não a Polícia. Mas, hoje, a situação está tão desgastada que a Polícia tem batido em muitas portas, mas com ordem judicial, claro", comentou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, nesta sexta-feira, 4, durante palestra em Fortaleza.

A declaração, feita em tom de brincadeira, foi uma referência à condução coercitiva do ex-presidente Lula para depoimento na Polícia Federal, dentro da 24ª fase da Operação Lava Jato.

Sem querer se aprofundar mais no assunto, Gilmar Mendes avaliou o momento como "muito delicado" e que agrava a crise política. "Não tenho elementos para avaliar a decisão do juiz Sérgio Moro, mas é possível que certamente tenha tomado todas as cautelas. É uma decisão com grande repercussão no plano social, econômico e político", analisou.

O ministro do STF falou sobre o tema "Perspectivas atuais da Justiça Eleitoral" para estudantes de Direito, na Universidade de Fortaleza (Unifor).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.