Patrícia Cruz / ESTADÃO
Patrícia Cruz / ESTADÃO

ANJ concede Prêmio Liberdade de Imprensa à jornalista Míriam Leitão

Em um discurso emocional, a jornalista lembrou que profissionais de imprensa têm sido obrigados a sair em defesa da liberdade de expressão devido à onda de ataques virtuais e físicos

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2017 | 16h42

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) entregou nesta quarta-feira , 22, o Prêmio ANJ Liberdade de Imprensa à jornalista Míriam Leitão. Colunista da Globonews e do jornal O Globo, Míriam foi alvo este ano de hostilidades por parte de militantes do PT e do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à Presidência, na semana passada.

++ Associações de jornalismo repudiam ataque de membros do PT contra Míriam Leitão em voo

A cerimônia de entrega, realizada em um hotel na região da Avenida Paulista, foi marcada por alertas sobre ameaças à liberdade de imprensa no Brasil diante do cenário de radicalização política tanto por parte de militantes extremistas quanto de setores do Judiciário e autoridades públicas.

Em um discurso de forte teor e emocional, Míriam lembrou que diversos jornalistas têm sido obrigados a se posicionar em defesa da liberdade de expressão diante da onda de ataques virtuais e físicos.

“O que me tranquiliza é saber que não é exatamente para mim o prêmio, mas para uma ideia e uma atitude que inúmeros jornalistas, no Brasil inteiro, têm adotado quando se veem diante da agressão à diversidade de pensamento”, disse ela.

No dia 13 de junho, Míriam foi hostilizada por delegados que participaram do 6º Congresso Nacional do PT em um voo entre Brasília e Rio. Ela é alvo da militância do partido há anos devido às críticas que fez á condução da política econômica no governo da presidente cassada, Dilma Rousseff. Na semana passada a jornalista voltou a ser alvo de ofensas, desta vez por parte do deputado Jair Bolsonaro, pré-candidato à Presidência, que a insultou nas redes sociais devido às críticas de Míriam à falta de conhecimento do parlamentar para a área econômica.

“Ouvi os gritos e as ofensas de quem não tolera o pensamento divergente e a liberdade de opinião. O vôo entre Brasília e Rio pode ser muito longo (…) Na semana passada, ouvi novamente ofensas e gritos lançados de um palanque. Esses dois ataques vieram de grupos que estão em campos opostos na vida política brasileira e que disputam o poder no Brasil. Sobre esse ponto é preciso refletir”, disse ela.

Míriam recebeu o prêmio das mãos do vice-presidente da ANJ e responsável pelo Comitê de Liberdade de Expressão da entidade, Francisco Mesquita Neto, presidente do Grupo Estado.

“As sucessivas crises políticas e econômicas no País alimentaram a desconfiança da sociedade civil em relação às instituições e fortalecem o instituto liberticida de uma parcela minoritária da população, que não compreende ou finge não compreender o verdadeiro papel da imprensa para a manutenção da democracia”, disse ele. “É uma minoria ruidosa, composta por diversas cores políticas, que usa as redes sociais como instrumento para intimidar adversários, disseminar ideais autoritários e difundir informações mentirosas ou distorcidas”, completou Mesquita.

Ele ressaltou ainda outros riscos recentes à liberdade de imprensa como a disseminação de mentiras, as chamadas “fake news” pelas redes sociais com o uso de robôs, a resistência de setores do Executivo em cumprir a Lei de Acesso à Informação os casos de censura prévia por parte do Judiciário.

Marlo Rech, presidente das ANJ, lembrou que a entidade foi criada em 1979, quando a liberdade de expressão era restrita pela ditadura militar, e que depois de quase quatro décadas de avanços, hoje o País vive um retrocesso e citou como exemplo a enxurrada de ações coordenadas movidas por juízes do Paraná contra o jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, que publicou uma série de reportagens expondo as remunerações no Judiciário paranaense.

“Nos últimos tempos temos assistido a uma sequência de tristes retrocessos na libverdade de manifestação. De um lado, além da integridade de jornalistas e veículos de comunicação, seguimos sofrendo agressões amparadas pelo aparato jurídico, como a tentativa de estrangular o jornal Gazeta do Povo, alvo de dezenas de ações judiciais simultâneas”, afirmou.

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Ayres Britto, que recebeu o prêmio em 2008 por ter sido o relator do processo que extinguiu a Lei de Imprensa criada pela ditadura militar (1964-1985), sugeriu a realização de um pacto nacional em defesa da Constituição.

“Há má vontade contra esta Constituição que é preciso debelar. Porque ela é boa. Tremo nas bases sempre que vejo uma mexida na Constituição. Já são 96”, disse Ayres Britto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.