Anistia elogia Lula por afirmar que 'porrada' não educa bandido

A Anistia Internacional saudouna quarta-feira a condenação feita pelo presidente Luiz InácioLula da Silva da "porrada" como forma de tratar detentos. Aorganização também pediu um esforço do governo brasileiro paraerradicar a tortura no país. De acordo com organismos de defesa dos direitos humanos,como a Anistia e o Human Rights Watch, a tortura policial seguesendo amplamente praticada no Brasil como forma de punição,intimidação e extorsão, principalmente nos presídios. Lula disse na terça-feira, em discurso no Rio de Janeiro,que "se porrada educasse, bandido sairia da cadeia santo". O presidente deu a declaração após apontar que autoridadese empresários devem dar oportunidades à população, para evitara criação de quadrilhas de narcotraficantes que dominam váriasfavelas do Rio de Janeiro. "Não vamos combater a criminalidade com violência, vamoscombater com oportunidades", disse Lula. "A Anistia Internacional recebe com entusiasmo oreconhecimento do presidente Lula de que a ampla prática deespancamentos e torturas, que têm caracterizado o sistemapenintenciário brasileiro, não é a solução para os gravesproblemas de segurança pública enfrentados pelo país", disse aorganização em comunicado. A Anistia afirmou ainda que, após as declarações de Lula,espera que os esforços do governo no combate à tortura"prenunciem uma nova era" para sua erradicação no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.