Aníbal: Petrobras teve atitude de república das bananas

O novo secretário de Energia do Estado de São Paulo, José Aníbal, afirmou hoje que a mudança do nome do Campo de Tupi para Campo de Lula, na Bacia de Santos, é uma "atitude típica de república das bananas". De acordo com Aníbal, a Petrobras, como empresa internacional, deveria "ter um certo pudor em definir procedimentos".

CHIARA QUINTÃO E GUSTAVO URIBE, Agência Estado

01 de janeiro de 2011 | 13h31

"Esse procedimento é absolutamente desnecessário, inclusive porque associa o campo não à atividade, mas a um fruto do mar. O campo já está no mar, não precisa dessa denominação." Questionado sobre se o PSDB entraria com uma ação, assim como as preparadas pelo DEM, ele afirmou que deve ser dada à questão a atenção merecida, de "total irrelevância", e ser sugerido à Petrobras que "não cometa esta atitude, que é típica de uma república das bananas".

Aníbal também reprovou a decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva tomada ontem, de não extraditar o italiano Cesare Battisti. Na avaliação de Aníbal, o chefe do Executivo deveria ter deixado a resolução para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Já em relação ao seu furuto como novo secretário de Energia do Estado de São Paulo, ele afirmou que a sua intenção é buscar cada vez mais matriz energética limpa, como a solar e a gerada pelo bagaço de cana-de-açúcar.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasTupiLulaJosé Aníbalbananas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.